Adicional de periculosidade: você sabe o que é? Confira!

8 de setembro de 2017
Kenoby

Você sabe quem tem direito a receber o adicional de periculosidade e como este valor deve ser calculado?

No Brasil, há toda uma legislação regulamentando essa compensação devida aos trabalhadores que atuam em atividades de risco. Confira neste post o que diz essa regulamentação e o que sua empresa deve fazer para manter-se em conformidade com a lei.

O que é o adicional de periculosidade?

O adicional de periculosidade é um valor devido aos colaboradores que, durante a realização de suas tarefas, sejam expostos à situações que coloquem em risco sua integridade física.

Trata-se de um direito previsto na Norma Regulamentadora 16 (NR-16) do Ministério do Trabalho e Emprego.

Qual o valor da compensação?

O pagamento corresponde a 30% sobre o salário do empregado, desconsiderando os acréscimos decorrentes de gratificações, participação nos lucros ou qualquer outro tipo de premiação.

Cabe ressaltar, porém, que os valores pagos a título de adicional de periculosidade precisam ser considerados como parte integrante da remuneração do colaborador no momento do cálculo dos direitos previstos em lei, como o 13º salário, as férias e demais indenizações.

O adicional de periculosidade deve ser pago somente aos colaboradores expostos de forma constante aos fatores de risco à sua integridade física. Se esse contato é eventual, não se configura o direito ao benefício. E, caso ele mude de atividade ou a função deixe de apresentar risco, o benefício deve ser cancelado, não sendo, em nenhuma hipótese, integrado de forma definitiva ao salário.

O que diz a lei?

O pagamento do benefício está previsto na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), datada da década de 1940. A Constituição Federal, de 1988, reforça a obrigatoriedade do pagamento da compensação, destacando, no artigo 7º, o direito dos trabalhadores ao “Adicional de remuneração para as atividades penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei”.

Quais atividades são consideradas perigosas?

Entre as principais atividades que geram o direito ao adicional de periculosidade estão aquelas relacionadas ao uso de materiais explosivos ou inflamáveis, exposição a radiações ionizantes, substâncias radioativas ou energia elétrica e aquelas que envolvam o uso de motocicletas.

Também devem receber o benefício todos os trabalhadores da área da segurança pública, como policiais e bombeiros. Consultando a NR-16 é possível verificar todas as funções que demandam o pagamento do adicional de periculosidade.

Como se define a periculosidade?

De acordo com a CLT, é função do Ministério do Trabalho e Emprego determinar se uma função oferece perigo à integridade física dos trabalhadores. Isso deve ser feito por meio de perícia realizada por engenheiros do trabalho.

Qual a diferença entre periculosidade e insalubridade?

Essa é uma dúvida comum entre os colaboradores. A insalubridade, que também é passível de remuneração adicional específica, refere-se às atividades que prejudicam a saúde do trabalhador, enquanto a periculosidade trata de situações que o colocam em risco.

Importante destacar que, nos casos em que o colaborador esteja exposto às duas situações, não é permitido o acúmulo dos benefícios. Ele deverá optar por receber o adicional de insalubridade ou o adicional de periculosidade.

Essas são as principais informações que você precisa saber para decidir sobre o pagamento ou não do adicional de periculosidade na sua empresa. Você ficou com alguma dúvida sobre o benefício? Então, que tal compartilhá-la nos comentários?

NOVIDADES DO BLOG

Receba semanalmente as novidades do blog e transforme o seu recrutamento!

Continue lendo:

Férias coletivas: entenda como funciona e a sua regulamentação!

Férias coletivas podem gerar dúvidas nos profissionais de RH, principalmente em relação ao cumprimento das regras previstas na CLT. Além disso, nem sempre, todos os trabalhadores preenchem os requisitos necessários para os  continue lendo »

Você sabe o que é dissídio? Entenda como funciona e como é calculado

Dissídio é uma palavra bastante comum no ambiente empresarial, mas esse termo pode ser motivo de grande dor de cabeça para os gestores de recursos humanos, caso eles não tenham  continue lendo »

Adicional noturno: entenda as principais regras e como calcular

Você sabe quais as principais regras sobre o adicional noturno? Esse pagamento levanta diversas dúvidas no setor de recursos humanos. Afinal, o conhecimento da legislação é fundamental para entender seu  continue lendo »

Aviso prévio: o que você precisa saber sobre o assunto?

As regras de aviso prévio são frequentemente aplicadas no cotidiano do setor de Recursos Humanos. Isso porque, querendo ou não, a demissão de funcionários faz parte da rotina do departamento.  continue lendo »

Pedido de demissão: entenda como funciona o processo

O pedido de demissão é um tema que gera muita confusão, tanto para empregadores quanto para funcionários. Profissionais de RH devem estar atentos a todas as etapas do processo, desde a carta de  continue lendo »

Pró-labore: saiba qual a diferença entre ele e o salário

Pró-labore e salário são termos muitas vezes confundidos, mas que têm significados diferentes no contexto de uma empresa. Um está direcionado aos sócios-administradores do negócio, enquanto o outro está relacionado  continue lendo »