Adicional de periculosidade: você sabe o que é? Confira!

8 de setembro de 2017
Kenoby

Você sabe quem tem direito a receber o adicional de periculosidade e como este valor deve ser calculado?

No Brasil, há toda uma legislação regulamentando essa compensação devida aos trabalhadores que atuam em atividades de risco. Confira neste post o que diz essa regulamentação e o que sua empresa deve fazer para manter-se em conformidade com a lei.

O que é o adicional de periculosidade?

O adicional de periculosidade é um valor devido aos colaboradores que, durante a realização de suas tarefas, sejam expostos à situações que coloquem em risco sua integridade física.

Trata-se de um direito previsto na Norma Regulamentadora 16 (NR-16) do Ministério do Trabalho e Emprego.

Qual o valor da compensação?

O pagamento corresponde a 30% sobre o salário do empregado, desconsiderando os acréscimos decorrentes de gratificações, participação nos lucros ou qualquer outro tipo de premiação.

Cabe ressaltar, porém, que os valores pagos a título de adicional de periculosidade precisam ser considerados como parte integrante da remuneração do colaborador no momento do cálculo dos direitos previstos em lei, como o 13º salário, as férias e demais indenizações.

O adicional de periculosidade deve ser pago somente aos colaboradores expostos de forma constante aos fatores de risco à sua integridade física. Se esse contato é eventual, não se configura o direito ao benefício. E, caso ele mude de atividade ou a função deixe de apresentar risco, o benefício deve ser cancelado, não sendo, em nenhuma hipótese, integrado de forma definitiva ao salário.

O que diz a lei?

O pagamento do benefício está previsto na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), datada da década de 1940. A Constituição Federal, de 1988, reforça a obrigatoriedade do pagamento da compensação, destacando, no artigo 7º, o direito dos trabalhadores ao “Adicional de remuneração para as atividades penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei”.

Quais atividades são consideradas perigosas?

Entre as principais atividades que geram o direito ao adicional de periculosidade estão aquelas relacionadas ao uso de materiais explosivos ou inflamáveis, exposição a radiações ionizantes, substâncias radioativas ou energia elétrica e aquelas que envolvam o uso de motocicletas.

Também devem receber o benefício todos os trabalhadores da área da segurança pública, como policiais e bombeiros. Consultando a NR-16 é possível verificar todas as funções que demandam o pagamento do adicional de periculosidade.

Como se define a periculosidade?

De acordo com a CLT, é função do Ministério do Trabalho e Emprego determinar se uma função oferece perigo à integridade física dos trabalhadores. Isso deve ser feito por meio de perícia realizada por engenheiros do trabalho.

Qual a diferença entre periculosidade e insalubridade?

Essa é uma dúvida comum entre os colaboradores. A insalubridade, que também é passível de remuneração adicional específica, refere-se às atividades que prejudicam a saúde do trabalhador, enquanto a periculosidade trata de situações que o colocam em risco.

Importante destacar que, nos casos em que o colaborador esteja exposto às duas situações, não é permitido o acúmulo dos benefícios. Ele deverá optar por receber o adicional de insalubridade ou o adicional de periculosidade.

Essas são as principais informações que você precisa saber para decidir sobre o pagamento ou não do adicional de periculosidade na sua empresa. Você ficou com alguma dúvida sobre o benefício? Então, que tal compartilhá-la nos comentários?

NOVIDADES DO BLOG

Receba semanalmente as novidades do blog e transforme o seu recrutamento!

Continue lendo:

Jornada de trabalho CLT: tire as suas dúvidas sobre o assunto

Um dos principais ativos de uma empresa é o seu corpo de profissionais. Da mesma forma que existem regras que regulamentam os processos comerciais e até de produção, também existem  continue lendo »

eSocial: entenda o que é, as vantagens e como implantar na empresa

Em janeiro de 2018 inicia o cronograma de implantação, por parte das empresas, do Sistema Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas, conhecido como eSocial. Por meio dele, o  continue lendo »

Décimo terceiro salário: tudo o que você precisa saber!

Todo trabalhador brasileiro devidamente registrado por meio da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) tem o direito de receber a Gratificação Natalina, popularmente conhecida como décimo terceiro salário. Para alguns,  continue lendo »

DISC: entenda o teste de perfil comportamental

Antever qual será o comportamento de um profissional quando ele for submetido a situações específicas é um importante subsídio nos processos de recrutamento, seleção e desenvolvimento de pessoas. E esse é um  continue lendo »

Artigo 473 da CLT: o que você precisa saber sobre as faltas justificadas

No contexto trabalhista, um dos assuntos que gera muita dúvida é o caso das faltas justificadas — regulamentadas pelo Artigo 473 da CLT. Isso acontece porque nem sempre os gestores  continue lendo »

Descrição de cargos: 10 boas práticas para utilizar na sua empresa

A descrição de cargos é uma maneira de formalizar por escrito as atribuições e responsabilidades de determinado posto na empresa. Variando de acordo com as mudanças da própria organização, esse processo  continue lendo »