Adicional noturno: entenda as principais regras e como calcular

27 de julho de 2017
Kenoby

Você sabe quais as principais regras sobre o adicional noturno? Esse pagamento levanta diversas dúvidas no setor de recursos humanos. Afinal, o conhecimento da legislação é fundamental para entender seu cálculo e as hipóteses de aplicação.

No post que preparamos para você, simplificamos os conceitos e os casos específicos relacionados ao tema. Continue a leitura e livre-se dessa dor de cabeça de uma vez por todas!

O que é adicional noturno?

A legislação trabalhista considera o serviço noturno cansativo, penoso e prejudicial ao colaborador. Por isso, ela só autoriza sua realização mediante o pagamento de uma compensação especial, o adicional noturno.

Muitas vezes, esse tipo de vaga apresenta uma dificuldade maior para seu fechamento. Para te ajudar com isso, faça o download gratuito do Kit de Entrevistas de Candidatos.

KIT: Checklist + Planilha para Entrevista de Candidatos


 

Essa verba tem a finalidade de equilibrar a situação dos trabalhadores. Isso porque, os escalados para o período noturno estão em desvantagem em relação aos demais trabalhadores. Vale ressaltar que, os valores devidos relativos ao período noturno podem variar de acordo com o tipo de serviço prestado.

Qual período é considerado noturno?

O período sobre o qual o adicional noturno incide é o seguinte:

  • Trabalhadores urbanos: das 22 horas às 5 horas (artigo 73 da CLT);
  • Trabalhadores rurais da pecuária: das 20 horas às 4 horas (artigo. 7º da lei 5899/73);
  • Trabalhadores rurais da agricultura: das 21 horas às 5 horas (mesmo artigo do item anterior).

Ocorre que, em relação aos trabalhadores urbanos (policiais, assistentes administrativos, vendedores etc.), a hora de trabalho tem peso aumentado. Em vez de contarmos 1 hora a cada 60 minutos, contaremos 1 hora a cada 52 minutos e 30 segundos.

Além disso, há outra diferença entre os regimes mencionados. O trabalhador rural recebe um adicional de 25% e o urbano de 20%. Contudo, existem algumas exceções que devem ser observadas.

Quais trabalhadores não se enquadram nas regras descritas?

Alguns trabalhadores urbanos não seguem o modelo acima. Nestes casos o adicional, a contagem das horas e o período noturno podem variar. Confira:

Profissão Valor do Adicional Período noturno Contagem de horas
Engenheiros 25% das 22 h às 5 h 1 h = 60 minutos
Aeronautas 20% do crepúsculo à aurora 1 h = 52 min e 30 seg
Advogados 25% das 22 h às 5 h 1 h = 60 minutos
Portuários 20% das 19 h às 7 h 1 h = 60 minutos
Vigias 20% das 22 h às 5 h 1 h = 60 minutos
Serviço de extração de petróleo ou xisto 20% das 22 h às 5 h 1 h = 60 minutos

Dito isso, temos todas as informações para calcular o adicional noturno.

Como calcular o adicional noturno?

Esse adicional é acrescido às horas trabalhadas dentro do respectivo período noturno. Por exemplo, se o trabalhador urbano recebe R$10,00 por hora, no período noturno (das 22h às 5h), receberá R$ 12,00 (R$10 + 20%).

Caso haja coincidência entre o mencionado período e serviço extraordinário, o adicional de horas extras também é devido. Mantendo o exemplo anterior, aos R$12,00 seriam acrescidos 50%, totalizando R$18.

A única dificuldade do cálculo é a contagem com horas reduzidas. Para isso, faça o seguinte:

  • Multiplique o número de minutos de trabalho noturno por 1,1474;
  • Divida o valor obtido por 60.

O resultado será o número de horas que devem ser pagas com acréscimo do adicional. Isso porque 1,1474 é a proporção aproximada entre 60 minutos e 52 minutos e 30 segundos.

Gostou do texto? Assine nossa newsletter! Assim, você receberá nosso conteúdo e ficará atualizado com os principais temas de RH!

NOVIDADES DO BLOG

Receba semanalmente as novidades do blog e transforme o seu recrutamento!

Continue lendo:

Férias coletivas: entenda como funciona e a sua regulamentação!

Férias coletivas podem gerar dúvidas nos profissionais de RH, principalmente em relação ao cumprimento das regras previstas na CLT. Além disso, nem sempre, todos os trabalhadores preenchem os requisitos necessários para os  continue lendo »

Você sabe o que é dissídio? Entenda como funciona e como é calculado

Dissídio é uma palavra bastante comum no ambiente empresarial, mas esse termo pode ser motivo de grande dor de cabeça para os gestores de recursos humanos, caso eles não tenham  continue lendo »

Aviso prévio: o que você precisa saber sobre o assunto?

As regras de aviso prévio são frequentemente aplicadas no cotidiano do setor de Recursos Humanos. Isso porque, querendo ou não, a demissão de funcionários faz parte da rotina do departamento.  continue lendo »

Pedido de demissão: entenda como funciona o processo

O pedido de demissão é um tema que gera muita confusão, tanto para empregadores quanto para funcionários. Profissionais de RH devem estar atentos a todas as etapas do processo, desde a carta de  continue lendo »

Pró-labore: saiba qual a diferença entre ele e o salário

Pró-labore e salário são termos muitas vezes confundidos, mas que têm significados diferentes no contexto de uma empresa. Um está direcionado aos sócios-administradores do negócio, enquanto o outro está relacionado  continue lendo »

Departamento pessoal: Tire suas dúvidas sobre o setor

O departamento pessoal (DP) é fundamental para que a empresa possa expandir e lucrar. Os profissionais do setor são responsáveis pelo cuidado com o quadro de colaboradores. Não à toa,  continue lendo »