Analista de Benefícios: o que faz, quanto ganha e mais!

1 de Fevereiro de 2018
Kenoby

Atuar de forma estratégica, observando qual é a melhor forma de atrair e manter colaboradores é um dos maiores desafios das empresas. Neste cenário, surge a figura do analista de benefícios, profissional especializado em criar e gerir a política de benefícios dentro das empresas.

Por que contratar um Analista de Benefícios?

A gestão de benefícios é utilizada como estratégia para aumentar a satisfação dos colaboradores, bem como, para reduzir as taxas de turnover dentro da empresa. Logo, o analista de benefícios deve ser capaz de observar o cenário da instituição e criar estratégias para melhorar a concessão de benefícios.

O que faz um Analista de Benefícios?

O analista de benefícios é responsável por analisar convenções coletivas de trabalho e as políticas de benefícios de uma empresa. Portanto, atua de forma estratégica com o objetivo de aumentar a satisfação e produtividade da equipe, proporcionando resultados positivos para a empresa.

Qual é a qualificação necessária para um Analista de Benefícios?

Embora seja uma função de nível médio, geralmente, as organizações optam por contratar pessoas com formação e/ou experiência nas áreas de recursos humanos e administração, pois estas têm maiores conhecimentos e habilidades relacionadas à gestão de pessoas. Portanto, uma analista de benefícios deve ser especialista em:

  • análise e gerenciamento de políticas de benefícios;
  • criação de políticas de benefícios;
  • recrutamento e seleção.

Quais as principais habilidades que um analista de benefícios deve ter?

Não existe fórmula mágica para contratar um bom analista de benefícios, mas existem softwares de recrutamento que otimizam e tornam o processo de contratação mais assertivo. Além disso, existem algumas habilidades que podem ser observadas para facilitar a contratação. Confira:

  • posicionamento estratégico;
  • credibilidade;
  • capacidade de se adaptar e promover mudanças;
  • análise e interpretação de dados, integração com os demais setores da empresa;
  • integração entre comunicação e tecnologia;
  • gestão de compliance;
  • potencial para desenvolver o capital humano da empresa.

Qual a média de remuneração de um analista de benefícios?

O salário médio de um analista de benefícios varia de acordo com cada região do país. Segundo dados salariais do SINE, o menor salário encontrado para esta função no país é de R$ 1.883,82 e o maior de R$ 7.772,60. Esta grande diferença na remuneração, provavelmente está ligada ao fato de muitas empresas adotarem novas políticas salariais, observando o valor do colaborador para a organização.

Isso significa que, embora exista uma média salarial para o cargo, muitas empresas optam por remunerar o analista de benefícios de acordo com as suas habilidades e competências. Trata-se de uma medida que visa demonstrar que a empresa reconhece e valoriza seu capital humano. Em contrapartida, a empresa acaba ganhando com o aumento da produtividade e melhores resultados dos seus colaboradores.


Template para descrição de vaga

Estamos procurando por um Analista de benefícios que será responsável pela gestão de todos os benefícios dos colaboradores da empresa.

RESPONSABILIDADE

  • executar, administrar e controlar de benefícios;
  • elaborar cotações;
  • fazer contato com empresas conveniadas;
  • controlar gastos e gerir pagamentos de benefícios;
  • avaliar os resultados das políticas de benefícios implantadas pela empresa.

REQUISITOS

  • análise e gerenciamento de políticas de benefícios;
  • criação de políticas de benefícios;
  • recrutamento e seleção.
  • Visão estratégica;
  • Resiliência;
  • Entendimento de regras e procedimentos de compliance.

Gostou do artigo? Curta nossa página no Facebook e acompanhe as principais informações e tendências do setor de recursos humanos.

NOVIDADES DO BLOG

Receba semanalmente as novidades do blog e transforme o seu recrutamento!

Continue lendo:

Listamos os melhores livros de RH dos últimos tempos. Confira!

Um bom profissional deve sempre buscar novas informações e se manter atualizado dentro do seu campo de atuação. O mesmo vale para o setor de Recursos Humanos, que está enfrentando  continue lendo »

Vacância: você sabe o que é e qual o seu impacto na empresa?

Vacância é o nome dado ao período entre a saída de um empregado e a contratação de outro para ocupar o cargo vago. Nesse intervalo de tempo, o gestor deve encontrar  continue lendo »

Descrição de cargos: 10 boas práticas para utilizar na sua empresa

Descrição de cargos é o processo de detalhamento de cada posição dentro da companhia. Com ela, é possível verificar e formalizar as atividades e responsabilidades de todos os postos da  continue lendo »

Departamento pessoal: Tire suas dúvidas sobre o setor

Departamento pessoal, ou DP, é a área do RH responsável pelo controle e gestão legal e tributária dos colaboradores da empresa. Com um papel mais técnico e analítico, o DP  continue lendo »

Conheça os 5 processos do RH que devem ser automatizados

Com o passar dos anos, o setor de Recursos Humanos vem acumulando funções cada vez mais complexas e abrangentes dentro da empresa. Desde o processo seletivo até o desligamento de  continue lendo »

RH 3.0: Entenda o novo RH e como implementá-lo

A área de RH é uma das que mais mudou nas últimas décadas  — de um setor estritamente operacional para outro estratégico e repleto de novas tecnologias, hoje convenientemente chamado de  continue lendo »