Analista de Desenvolvimento Humano: o que faz, quanto ganha e mais!

1 de Fevereiro de 2018
Kenoby

A escolha de um novo profissional para compor uma equipe nem sempre é fácil e simples, principalmente quando a oportunidade surge para o cargo de Analista de Desenvolvimento Humano.

Isso porque, além das responsabilidades inerentes ao cargo, existem muitas variáveis intrínsecas e necessárias demandadas a esse profissional.

Descubra agora mesmo o que você precisa saber para acertar na escolha do próximo Analista de Desenvolvimento Humano da sua empresa!

Por que contratar um Analista de Desenvolvimento Humano?

As razões para contratar um Analista de Desenvolvimento Humano são várias, a ressaltar:

  • Valorização do capital humano;
  • Maior qualificação profissional das equipes e consequente melhora no seu desempenho;
  • Maior integração dos grupos de trabalho;
  • Crescente motivação;
  • Acesso a mais oportunidades de aperfeiçoamento;
  • Promoção de treinamentos e outras.

Além disso, é muito importante que as ações de desenvolvimento humano sejam voltadas para as necessidades reais da empresa e suas equipes. Dessa forma, os profissionais não ficam focados apenas nas competências técnicas, mas têm a oportunidade de desenvolver habilidades interpessoais e de comportamento.

O que faz um Analista de Desenvolvimento Humano?

O Analista de Desenvolvimento Humano é o profissional responsável, entre muitas outras funções, pelos ajustes inerentes às competências dos colaboradores e pelo exercício das suas maiores dificuldades.

Em geral, o Analista de Desenvolvimento Humano é responsável por:

  • Realizar pesquisas internas;
  • Agir preventivamente em relação aos níveis de rotatividade e absenteísmo da empresa;
  • Promover eventos de integração;
  • Organizar treinamentos técnicos e de habilidades comportamentais;
  • Fortalecer a estratégia da empresa;
  • Acompanhar e dar suporte ao plano de desenvolvimento pessoal dos colaboradores;
  • Desenvolver e implantar programas de avaliação de desempenho, trainee, estágio e aprendizagem.

Mas você sabe qual a qualificação ideal para exercer tais atividades? Confira!

Qual a qualificação necessária?

A qualificação ideal para um Analista de Desenvolvimento Humano pode variar de acordo com cada empresa.

Em geral, é desejável:

  • Curso superior completo em administração, recursos humanos ou psicologia;
  • Especialização na área;
  • Cursos e certificações de atualização e aperfeiçoamento;
  • Experiência no cargo.

É importante destacar que a experiência é indispensável caso a empresa não disponha de tempo para treinar e aperfeiçoar esse profissional.

Quais são as habilidades básicas?

Em decorrência das suas responsabilidades e atribuições, um analista de desenvolvimento humano precisa dispor de algumas habilidades bastante comuns e conhecidas.

No entanto, o dinamismo de mercado vem demandando profissionais cada vez mais interativos e preparados para ambientes de criação e energia produtiva.

Para acompanhar esse novo ritmo de trabalho, existem algumas outras habilidades que se tornaram cruciais para quaisquer profissionais de RH, especialmente para quem atua com desenvolvimento humano, como:

  • Liderança colaborativa;
  • Capacidade de alinhamento às necessidades da empresa;
  • Empatia;
  • Bons relacionamentos interpessoais;
  • Visão sistêmica;
  • Proatividade e intraempreendedorismo;
  • Posicionamento estratégico;
  • Habilidade em vender ideias;
  • Motivação pela função;
  • Gosto por pessoas.

Em um primeiro momento pode parecer bastante, mas o trabalho é remunerado proporcionalmente de acordo com a sua qualidade.

Quanto ganha um Analista de Desenvolvimento Humano?

Finalmente, por todas as habilidades demandadas a esse profissional, o mercado dispõe de uma média de remuneração que, de acordo com a Faculdade Dom Bosco, varia entre R$4.500,00 e R$9.300,00, a depender do porte da empresa.


Template para descrição de vaga

Estamos procurando por um(a) Analista de Desenvolvimento Humano responsável, entre outras funções, pelos ajustes inerentes às competências dos colaboradores e pelo exercício das suas maiores dificuldades.

RESPONSABILIDADES:

  • Realizar pesquisas internas;
  • Agir preventivamente em relação aos níveis de rotatividade e absenteísmo da empresa;
  • Promover eventos de integração;
  • Organizar treinamentos técnicos e de habilidades comportamentais;
  • Fortalecer a estratégia da empresa;
  • Acompanhar e dar suporte ao plano de desenvolvimento pessoal dos colaboradores;
  • Desenvolver e implantar programas de avaliação de desempenho, trainee, estágio e aprendizagem.

REQUISITOS:

  • Curso superior completo em administração, recursos humanos ou psicologia;
  • Especialização na área;
  • Cursos e certificações de atualização e aperfeiçoamento;
  • Experiência no cargo.

NOVIDADES DO BLOG

Receba semanalmente as novidades do blog e transforme o seu recrutamento!

Continue lendo:

Jornada de trabalho CLT: tire as suas dúvidas sobre o assunto

Um dos principais ativos de uma empresa é o seu corpo de profissionais. Da mesma forma que existem regras que regulamentam os processos comerciais e até de produção, também existem  continue lendo »

eSocial: entenda o que é, as vantagens e como implantar na empresa

Em janeiro de 2018 inicia o cronograma de implantação, por parte das empresas, do Sistema Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas, conhecido como eSocial. Por meio dele, o  continue lendo »

Décimo terceiro salário: tudo o que você precisa saber!

Todo trabalhador brasileiro devidamente registrado por meio da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) tem o direito de receber a Gratificação Natalina, popularmente conhecida como décimo terceiro salário. Para alguns,  continue lendo »

DISC: entenda o teste de perfil comportamental

Antever qual será o comportamento de um profissional quando ele for submetido a situações específicas é um importante subsídio nos processos de recrutamento, seleção e desenvolvimento de pessoas. E esse é um  continue lendo »

Artigo 473 da CLT: o que você precisa saber sobre as faltas justificadas

No contexto trabalhista, um dos assuntos que gera muita dúvida é o caso das faltas justificadas — regulamentadas pelo Artigo 473 da CLT. Isso acontece porque nem sempre os gestores  continue lendo »

Descrição de cargos: 10 boas práticas para utilizar na sua empresa

A descrição de cargos é uma maneira de formalizar por escrito as atribuições e responsabilidades de determinado posto na empresa. Variando de acordo com as mudanças da própria organização, esse processo  continue lendo »