Analista de Recrutamento e Seleção: o que faz, quanto ganha e mais!

1 de fevereiro de 2018
Kenoby

Em todos os nossos posts, temos abordado a mudança do mercado em geral, mas, principalmente, a transformação que a área e o trabalho de profissionais como o Analista de Recrutamento e Seleção vêm sofrendo. Se há um setor que vem sendo muito impactado é o de Recrutamento e Seleção. Nele, o trabalho passa a ser totalmente estratégico e ligado aos resultados

Esse setor é fundamental para qualquer companhia que deseja ter sucesso, pois tem a grande responsabilidade de inserir os melhores profissionais na empresa, levando em conta não só a entrega desses colaboradores, mas também o fit cultural que eles apresentam junto à organização e, mais importante, junto à área em que vão atuar.

O profissional que mais representa essa transição é o Analista de Recrutamento e Seleção, também chamado de Analista de Recursos Humanos. Ele é uma peça importante em todas as empresas, pois é o responsável pela contratação de novos talentos. Ele convoca candidatos, realiza entrevistas e acompanha a admissão. Quer saber muito mais sobre esse profissional? Continue a leitura!

Por que contratar um Analista de Recrutamento e Seleção?

Esse profissional é essencial para garantir um recrutamento acertado nas organizações, já que escolher o funcionário errado gera vários prejuízos para a empresa: queda de produtividade, turnover alto e gastos com novos processos seletivos.

Diante disso, o Analista de Recrutamento e Seleção é vital para o equilíbrio financeiro e alcance de metas da empresa, ajudando a selecionar os melhores talentos disponíveis no mercado, além de contribuir para a manutenção de bons índices de qualidade do produto ou serviço oferecido.

Como esse analista, todo o processo de seleção pode ser desenvolvido de maneira mais estratégica e pontual, eliminando erros do processo. É possível até começar a formular uma marca empregadora, com o objetivo de atrair e contratar outros profissionais talentosos.

Não por acaso, conforme veiculado pela revista Harvard Business Review, em média, empresas que investem no RH (e isso inclui a contratação do Analista de Recrutamento e Seleção) têm desempenho 51% superior no mercado. Uma grande vantagem, não é mesmo?

O que faz um Analista de Recursos Humanos?

Esse profissional cuida de todo o processo de escolha de um novo funcionário, em todos os níveis. O trabalho engloba todo o procedimento de recrutamento por seleção interna, externa ou mista. Ele vai garantir que os contratados atendam às especificações desejadas, tanto em competências e habilidades profissionais quanto no alinhamento de traços de personalidade com a cultura organizacional.

Para entender melhor algumas das principais atividades desse profissional, preparamos a lista abaixo:

1. Faz o alinhamento do perfil junto ao gestor da vaga

Após o recebimento da vaga, tarefa que é muito facilitada por um software de Recrutamento e Seleção, o Analista de R&S deve entender o que ele está buscando e qual a sua missão junto àquele gestor, ou seja, qual a necessidade daquela área e qual o melhor perfil de profissional deve ser contratado para solucionar determinado problema.

Tendo isso em vista, cabe a esse profissional agendar uma reunião junto ao solicitante e alinhar aspectos comportamentais e técnicos, pré-requisitos para candidatura, nível de senioridade, entre outros pontos. Feito isso, temos a nossa próxima tarefa.

2. Elabora a Job Description e realiza a divulgação das vagas

Como falado no começo do texto, o papel do Analista de Recrutamento e Seleção agora é muito mais consultivo. Após realizar o alinhamento de perfil do candidato ideal junto ao gestor da vaga, o analista deve auxiliar o líder da posição a elaborar uma job description objetiva, clara e atraente.

Depois disso, devemos pensar nos canais que os candidatos frequentam. Hoje, os canais online ganham destaque. As redes sociais e as páginas de emprego concentram boa parte da mão de obra. Para cargos mais específicos, é possível trabalhar com páginas de emprego de nicho, que têm foco em certa comunidade profissional.

A integração entre áreas da empresa é um bom artifício nesse momento, pois uma ajuda da área de marketing, por exemplo, faria bastante sentido, uma vez que esse tipo de profissional conhece os caminhos de como gerar valor para algo e bom entendimento sobre o comportamento do consumidor, nesse caso, o candidato.

3. Faz a qualificação e triagem dos candidatos

A partir do momento em que as vagas são divulgadas, os candidatos já estão aptos a se inscreverem para o processo seletivo. Em um setor de recrutamento inteligente, os recrutadores não têm tempo de olhar todos os currículos. Por isso, qualificam seus candidatos por meio de testes de primeira instância, por exemplo, o de fit cultural.

Com isso, conseguem ter uma visão mais estratégica do negócio, eliminando os candidatos que não apresentaram bom desempenho e analisando somente os melhores.

Também é importante destacar que, em muitas empresas, a triagem dos currículos está sendo automatizada. Isto é, o software de recrutamento e seleção ajuda a identificar os currículos que apresentam competências básicas e a classificá-los para uma próxima etapa, na qual o Analista de Recursos Humanos poderá fazer uma avaliação mais precisa.

4. Realiza entrevistas

Por mais que a tecnologia esteja cada vez mais presente no cenário de Recrutamento e Seleção, ela nunca poderá substituir o ser humano em algumas atividades. A humanização é fundamental para qualquer seleção, uma vez que estamos tratando de pessoas.

É papel do Analista de Recrutamento e Seleção realizar entrevistas com os candidatos já avançados no processo seletivo, a fim de fazer, na maioria das vezes, a análise final e validação dos melhores profissionais.

O processo de entrevista é muito particular e pode variar muito dependendo da cultura de cada empresa. Algumas preferem realizar a primeira análise a apresentar somente os melhores para os gestores entrevistarem, enquanto outras já gostam de realizar todas as entrevistas junto com os gestores. Existem ainda casos em que o gestor faz todo o processo de triagem e a primeira entrevista, e quem realiza a validação final é o RH.

De todo modo, é preciso refletir sobre o tipo de entrevista que será feita: estruturada, semi-estruturada ou não estruturada. Ou melhor: as perguntas obedecerão total ou parcialmente a algum roteiro preestabelecido? Esse também é papel do Analista de R&S.

5. Dá feedback negativo aos reprovados

Algo que vem sendo cada vez mais evidenciado e ressaltado pelos profissionais de RH nessa transição que a área vem sofrendo é a Experiência do Candidato. Essa preocupação deve se estender também aos profissionais que não foram aprovados no processo seletivo.

Por isso, é papel do analista de R&S dar essa devolutiva aos seus candidatos. O envio da resposta negativa para o resultado de um processo seletivo é tão importante quanto a resposta positiva. Porém, a frustração do candidato reprovado é inevitável.

Então, uma opção para minimizar isso e fazer com que ele ainda se mantenha engajado com a sua empresa para uma outra oportunidade, por exemplo, é enviar algum material ou conteúdo junto ao feedback, de modo que esse profissional sinta a sua preocupação com o seu desenvolvimento, deixando o sentimento de “ser mais um” de lado.

6. Monitora os resultados alcançados

Como explicamos, o RH está muito mais estratégico e demanda a mesma postura dos seus integrantes. Por isso, o profissional da contratação também deve acompanhar as métricas e indicadores-chave de desempenho, avaliando o que tem ocorrido de acordo com o esperado e o que precisa de ajustes.

Há uma série de indicadores que podem ser monitorados ao longo da contratação, por exemplo, o número de profissionais inscritos, o percentual de vagas fechadas dentro do prazo, o valor financeiro total investido e o turnover de recém-contratados.

Hoje, alguns softwares podem facilitar ou até automatizar o monitoramento desses itens. Com eles, o Analista de Recursos Humanos poderá ter uma visão mais completa, real e estratégica do que está acontecendo, bem como criar planos para mitigar “gargalos” e potencializar os atuais pontos fortes. Assim, todo o RH é beneficiado.

7. Promove a melhoria contínua

O RH está mudando rapidamente, especialmente, os métodos e tecnologias de contratação. Por isso, ao analisar empresas de todo o mundo, a Deloitte descobriu que 56% delas estão reformulando seus processos de RH para aproveitar ferramentas digitais. No RH, o analista de R&S é o principal responsável por acompanhar essa modernização.

Então, com base nos atuais indicadores-chave de desempenho, deve formular objetivos desafiadores para o futuro e utilizar as novas tecnologias para potencializar os resultados. Logo, influencia na melhoria contínua do RH e no amadurecimento da empresa, tornando-a mais competitiva no mercado e atraente para novos talentos.

Por isso, caso você se identifique com essa função de enviar feedbacks, preparamos um material para te ajudar. Faça o download gratuito do Templates para e-mails de feedback.

Qual a qualificação necessária para esse profissional?

O profissional de RH deve ter competências técnicas e comportamentais específicas. Assim, poderá fazer um bom trabalho. Além do mais, precisa entender de pessoas, processos e tecnologias ligadas ao RH. Para exercer a função de maneira satisfatória, são necessárias:

O profissional formado no curso de Administração tem totais condições de se desenvolver e desempenhar muito bem a função de Analista de Recrutamento e Seleção. É muito importante ressaltar, porém, que a graduação em Psicologia é essencial em determinadas condições, já que esse profissional é o único que, legalmente, está apto a aplicar e analisar testes comportamentais.

A Certificação em Recrutamento e Seleção é uma capacitação que a Kenoby oferece gratuitamente e pode ser obtida online. O conteúdo é o mesmo usado no treinamento dos nossos especialistas.

Quais as habilidades que um analista deve ter?

Para exercer bem esse trabalho e contratar os melhores profissionais para a empresa, o Analista de Recursos Humanos deve ter:

  • conhecimentos abrangentes em seleção de profissionais;
  • conceitos sobre aplicação e avaliação de testes psicológicos;
  • uma visão ampla do departamento de Recursos Humanos;
  • desenvoltura e saber se comunicar bem para conduzir boas entrevistas, que consigam extrair o melhor de cada candidato;
  • saber analisar qual perfil profissional se adapta melhor à vaga.

Por isso, é preciso lembrar que tão importante quanto as habilidades é o alinhamento com a cultura organizacional e os valores da empresa, o chamado fit cultural. Afinal, hoje, além de habilidades específicas, o Analista de Recrutamento e Seleção deve abraçar os valores da organização e ter uma forte afinidade com o propósito que motiva todo o trabalho. Caso contrário, é provável que não tenha aderência à empresa.

Então, um profissional sem aderência não entrega bons resultados, muito menos permanece por longo prazo na companhia. Portanto, avalie o alinhamento com a cultura dela.

Quanto ganha um Analista de Recrutamento e Seleção?

De acordo com o Site Nacional de Empregos (SINE), a remuneração do analista varia de acordo com o nível profissional e porte da empresa em que trabalha.

Então, um profissional Júnior em uma empresa pequena tem, em média, o salário de R$ 1837,34, enquanto pode receber R$ 3105,10 na mesma função e nível em uma grande organização. Um profissional de nível master pode chegar ao salário de R$ 6064,64 em uma empresa de grande porte.

Por fim, também é possível atuar ainda como trainee, recebendo de R$ 1469,87 em uma empresa pequena a R$ 2484,08 em uma organização grande.

Como deve ser o template para descrição de vaga?

Então, se vai buscar por um Analista de Recrutamento e Seleção, é preciso de uma boa descrição de cargo. Ela será útil para atrair talentos, filtrar apenas os que têm competências específicas e até facilitar o processo de contratação.

A descrição de vagas pode variar bastante de acordo com cada empresa e o candidato que se busca selecionar, mas, em geral, conta com duas principais informações: responsabilidades (o que o profissional irá fazer) e os requisitos (o que o profissional precisa ter). Por isso, para melhor elucidar, criamos uma descrição de vaga para você. Veja:

RESPONSABILIDADES

  • elaboração dos anúncios de vaga;
  • triagem de currículos;
  • aplicação de entrevistas individuais e coletivas;
  • realização de dinâmicas e testes;
  • alinhamento dos objetivos e características da vaga com o gestor;
  • controle das vagas abertas, fechadas e em andamento;
  • análise da remuneração adequada para cada empregado;
  • dar o feedback aos candidatos que não foram aprovados.

REQUISITOS

  • graduação em Psicologia ou Administração de empresas;
  • certificação em Recrutamento e Seleção;
  • conhecimentos abrangentes em seleção de profissionais;
  • desenvoltura e boa comunicação para conduzir boas entrevistas, que consigam extrair o melhor de cada candidato.

Então, que fique claro: contratar um talento para ocupar o cargo de Analista de Recrutamento e Seleção é necessário. Afinal, ele é responsável por uma série de atividades estratégicas, essenciais ao setor de Recursos Humanos e à organização.

Enfim, agora você está por dentro do assunto. Como pôde observar, o profissional Analista de Recursos Humanos é essencial à empresa e ao processo de recrutamento e seleção. Ele analisa o fit cultural, ajuda na elaboração da descrição da vaga, faz a triagem de candidatos e mais. Desse modo, pode contribuir para o crescimento do RH e da empresa em geral.

Por fim, o que achou deste conteúdo sobre quem é e o que faz um Analista de Recrutamento e Seleção? Se gostou, aproveite para continuar aprendendo conosco. Assine nossa newsletter e receba novidades sobre RH estratégico diretamente em seu e-mail. Vamos lá!

Rating: 4.4/5. From 7 votes.
Please wait...

NOVIDADES DO BLOG

Receba semanalmente as novidades do blog e transforme o seu recrutamento!

Continue lendo:

O que é e o que faz o profissional de gente e gestão nas empresas?

Não se gerencia pessoas, se gerencia com pessoas. A diferença pode até ser sutil no papel, mas na prática não é. Por essa razão, nas empresas mais modernas, o termo  continue lendo »

Digitalização do RH: entenda o que é e qual a importância

Visando conquistar resultados cada vez melhores com cada vez menos processos, a evolução tecnológica atinge todos os setores das empresas. Com a área de recursos humanos não é diferente. A  continue lendo »

Diretor de RH: o que faz, quanto ganha e como se tornar um

Peça importante em uma organização, o diretor de RH é responsável pelo bom funcionamento do departamento de recursos humanos. Ele cuida dos funcionários, tanto no aspecto operacional (realização de funções)  continue lendo »

Remuneração variável: o que é e como funciona? Descubra!

A remuneração tradicional é um fator estratégico para atrair e reter talentos. Mas é necessário ter prudência: elevá-la pode prejudicar a rentabilidade da empresa. Por essa razão, vários empresários e  continue lendo »

Como fortalecer a cultura organizacional da minha empresa?

Saber como fortalecer a cultura organizacional é essencial a todo gestor que deseja estabelecer valores em sua empresa. Quando existe uma cultura sólida, todos entendem o que deve ser priorizado  continue lendo »

Como implementar um RH estratégico na minha empresa?

Nos últimos anos, muitos artigos propuseram-se a falar do RH estratégico, mas poucos explicaram como ele realmente funciona e como pode ser aplicado na empresa. Por causa disso, decidimos esclarecer  continue lendo »