Como avaliar os processos seletivos com o Net Promoter Score (NPS)?

15 de março de 2018
Kenoby

Avaliar os processos seletivos das empresas é muito importante, pois torna possível promover melhorias contínuas, engajar e contratar mais talentos. Para auxiliar nessa tarefa, uma boa ferramenta de trabalho é o Net Promoter Score (NPS).

Inicialmente usada para medir a satisfação dos clientes, o NPS passou a ser utilizado com foco no público interno (o chamado E-NPS).

Recentemente, tem sido aplicada para medir a satisfação de candidatos com o processo seletivo para que eles permaneçam engajados.

No artigo de hoje, você vai entender como avaliar os processos seletivos por meio do NPS, a frequência adequada e os melhores canais de comunicação a serem usados. Continue a leitura!

Uma ação básica que tem relevância altíssima para a experiência dos candidatos dentro do processo seletivo é o feedback. Essa atitude relativamente simples, que pode ser feito de maneira automatizada, ainda é um gap para muitas empresas. Se você é uma dessas empresas, ou quer melhorar s seus feedbacks, faça o download gratuito dos templates para e-mails de feedback.

Conceito e história do Net Promoter Score (NPS)

Antes de explicar o funcionamento, é importante compreender a origem. A primeira publicação sobre NPS foi feita em 2003, quando Fred Heichheld publicou o artigo “One number you need to grow”.

A ideia original era simples: realizar uma única pergunta para medir o grau de satisfação e lealdade dos clientes. A eficácia foi tamanha que logo a ferramenta ganhou novas perspectivas, passando a ser usada na gestão de pessoas.

Por isso, a ferramenta foi convenientemente chamada de Employee Net Promoter Score (E-NPS), aludindo à pontuação de satisfação dos empregados. A premissa permaneceu a mesma: realizar uma única pergunta para medir a satisfação.

Atualmente, o NPS também pode ser aplicado no processo de recrutamento e seleção das empresas, avaliando o grau de contentamento dos participantes com o processo. Para tanto, uma única pergunta é feita — chamada de “a pergunta definitiva”.

Portanto, é possível definir o NPS como uma pesquisa que objetiva medir o grau de satisfação e lealdade de um público — interno ou externo — por meio de uma única pergunta. Assim, torna-se mais producente medir os resultados, definir metas e crescer.

Passo a passo do uso do NPS para avaliar os processos seletivos

Existem muitos modelos de formulários usados para avaliar os processos seletivos. Estes, No entanto, geralmente são longos, cansativos e deixam a desejar na coleta e análise dos dados. Uma solução é empregar o NPS.

Deve-se fazer uma única pergunta aos participantes, seja por e-mail, SMS, website ou outro canal de comunicação que achar útil.

  • “Em uma escala de 0 a 10, sendo 0 o menor e pior valor, o quanto indicaria nosso processo seletivo para um amigo ou familiar?”

Essa pergunta não deve ser feita pessoalmente, cara a cara, pois os participantes se sentiriam coagidos a dar notas elevadas. O mais indicado é que seja feita após a finalização do processo.

Quanto maior o número de feedbacks, maiores as chances de obter um indicador consistente. Por isso, aplique a pesquisa ao maior número de participantes possível.

Afinal, ao coletar dados, é possível identificar três tipos de candidatos: os detratores (entre 0 e 6 pontos), que ficaram insatisfeitos com o processo; os neutros (respostas entre 7 e 8); os promotores (respostas entre 9 e 10), que ficaram satisfeitos e indicariam o processo de seleção para seus amigos e/ou familiares.

Para tornar a coleta de informações ainda mais completa e obter dados qualitativos, pode-se criar um campo do tipo “justifique sua resposta”. Logo, poderá entender o que culminou na insatisfação, imparcialidade ou satisfação dos candidatos à vaga, aprimorando o método para avaliar os processos seletivos.

Identificando a pontuação de NPS do processo

Já realizada a coleta inicial dos dados, é o momento de avaliar a pontuação de NPS dos processos de seleção. Dessa forma, torna-se possível investir em programas de melhoria contínua, definir metas consistentes e otimizar a experiência dos candidatos no futuro.

Para tanto, basta usar a seguinte fórmula:

  • NPS (em pontos) = % promotores – % detratores

Então, o resultado vai sempre variar entre -100 e 100 pontos. O objetivo é chegar o mais próximo possível de 100, mostrando a eficácia do processo seletivo e do recrutamento e seleção como um todo.

Então, imagine que um grupo de candidatos foi entrevistado por e-mail quanto ao nível de satisfação com o processo seletivo. De 60 candidatos, 30% apresentaram-se como detratores (0-6), 10% como neutros (7-8) e 60% como promotores (9-10). Ao aplicar a fórmula, será possível identificar um NPS de 30 pontos.

Portanto, a grande questão é: esse número está adequado ou carece de melhorias?

Para responder a essa pergunta, é preciso conhecer as zonas de interpretação do NPS. Existe a zona crítica (-100 a 0 pontos), a zona de aperfeiçoamento (1 a 50 pontos), a zona de qualidade (51 a 70 pontos) e zona de perfeição (70 a 100 pontos).

Portanto, no exemplo citado acima, o processo de seleção encontra-se na zona de aperfeiçoamento (entre 1 e 50 pontos). Para escalar melhores posições e chegar à zona de perfeição, torna-se necessário otimizar a experiência dos candidatos à vaga.

Frequência do uso do NPS nos processos seletivos

Por isso, é preciso discutir sobre a periodicidade para avaliar os processos seletivos deve ser feita. Não há um período previamente definido,  isso varia de organização para organização. Todavia, é preciso ter constância!

Afinal, realizar a pesquisa apenas uma vez por semestre é um erro. Em seis meses muita coisa pode mudar: qualquer organização pode perder seus talentos, amargar prejuízos, deixar de ser competitiva e até encerrar suas atividades de uma vez por todas.

Por fim, o ideal é que a pesquisa seja feita em intervalos menores de tempo, como bimestrais ou trimestrais. Logo, será possível ter uma visão atual sobre o assunto, promover melhorias consistentes e beneficiar toda a organização — visto que será possível atrair, engajar e contratar um maior número de profissionais talentosos.

Agora que você já sabe a importância de avaliar os processos seletivos, aproveite para usar o NPS na sua empresa. O objetivo é ter um maior número de candidatos promotores e alcançar a zona de excelência, diferenciando-se dos outros.

Gostou do conteúdo? Então continue aprendendo. Nossa sugestão é que você leia nosso artigo sobre fit cultural e descubra um dos maiores erros dos recrutadores. O que acha?

No votes yet.
Please wait...

NOVIDADES DO BLOG

Receba semanalmente as novidades do blog e transforme o seu recrutamento!

Continue lendo:

Gestor de RH: 6 dicas para engajar o seu time

Todo profissional almeja ter uma carreira de sucesso. Entretanto, a sua ascensão é desafiadora, pois o cargo pretendido requer sempre um nível superior de conhecimento. Em determinado momento da carreira  continue lendo »

Inteligência Artificial no recrutamento e seleção: Como aplicar?

As condições sociais, culturais, econômicas e organizacionais são aspectos fundamentais na prática de recursos humanos. Com a globalização e o aumento do acesso à internet, surgiram práticas de gestão que  continue lendo »

Recrutador: 4 dicas para impulsionar sua carreira

O mundo nunca passou por um período de tanta facilidade de acesso às informações como nos dias de hoje. Enquanto o rádio demorou 38 anos para atingir uma audiência de  continue lendo »

Como a avaliação por competências pode auxiliar no processo de R&S?

A avaliação por competências se tornou mais uma ferramenta estratégica do RH. Isso porque as lideranças das empresas já perceberam que, para conquistar resultados diferenciados, precisam estar atentas às pessoas.  continue lendo »

Recrutamento preditivo: como ele pode fazer a diferença?

Na corrida pela contratação dos melhores talentos disponíveis no mercado de trabalho, as empresas investem cada vez mais em novas estratégias capazes de identificar e atrair os candidatos adequados. Uma  continue lendo »

Machine learning no recrutamento e seleção: Como funciona?

O grupo de pesquisa TI global IDC prevê que, até 2020, aproximadamente US$ 47 bilhões da receita mundial do mercado de soluções cognitivas serão empregados com machine learning (aprendizado de máquina) e inteligência  continue lendo »