Licença maternidade: tire todas as suas dúvidas aqui!

8 de setembro de 2017
Kenoby

licença maternidade é um direito legal de toda mulher, correspondente a um período de 120 a 180 dias remunerados. Tal benefício garante a suspensão do contrato de trabalho e também a estabilidade de não ser demitida por, pelo menos, cinco meses após o nascimento do bebê.

Isso acontece porque, historicamente, a trabalhadora foi alvo de preconceito por parte das empresas, que evitavam a sua contratação ou até mesmo a demitiam quando engravidava. Dessa forma, esse direito trabalhista surgiu para resguardar a proteção do seu trabalho.

Então, caso haja na empresa uma colaboradora grávida, você precisa saber tudo sobre a licença maternidade. Não deixe de ler o nosso post completo!

O que é licença maternidade?

Licença maternidade, também chamada de licença gestante, é o período de afastamento, por cento e vinte dias, da mulher que teve um bebê. Essa permissão está vinculada ao pagamento de um benefício previdenciário, o salário-maternidade.

Resumidamente, embora sejam direitos distintos, a concessão do afastamento e da prestação em dinheiro é simultânea. Tudo depende do preenchimento dos requisitos impostos pela Previdência Social.

Qual procedimento para usufruir da licença?

Os procedimentos e requisitos para obter a licença maternidade variam de acordo com a condição da mulher nos cadastros do INSS. Por isso, fique atento aos seguintes casos:

Trabalhadora avulsa, empregada doméstica e segurada empregada

As mulheres empregadas podem requerer o benefício pelo simples fato de terem sua carteira assinada e o cadastro junto à Previdência Social. Isto é, não há período mínimo de carência.

Para isso, basta apresentar um atestado médico à empregadora. Nessa ocasião, será definida a data de início e encerramento da licença, entre o 28º dia antes do parto e sua ocorrência, com base nas estimativas do especialista.

Segurada facultativa e Contribuinte individual

As mulheres que contribuem para o INSS, geralmente pelo pagamento do carnê ou guia da Previdência Social, têm direito ao salário-maternidade, ainda que não estejam formalmente empregadas.

No entanto, para obter o benefício, essas profissionais precisam cumprir um período de carência de 10 meses, ou seja, um número mínimo de mensalidades pagas para ter o direito.

Segurada especial

As pequenas produtoras rurais recebem uma proteção mais elevada da legislação, tendo direitos previdenciários independentemente de contribuição.

Nesses casos, a comprovação da atividade rural por 10 meses substitui o período de carência e permite o requerimento junto ao INSS, sem qualquer vínculo de emprego.

Controlar os seus indicadores e o número de colaboradores em licenças é fundamental para um RH estratégico. Para te ajudar com isso, faça o download gratuito do modelo de Apresentação de Indicadores de RH.

Apresentação Mensal de Indicadores de RH


 

O que ocorre com a mulher desempregada?

O desemprego não conduz a retirada automática da condição de segurado do INSS. Isso, de fato, só ocorre após o encerramento do período de graça, o qual é de 12 meses em caso de rescisão do contrato de trabalho.

Sendo assim, a mulher pode requerer o benefício do salário-maternidade junto à Previdência Social, mesmo após o desligamento da empresa em que trabalhava.

Qual é o prazo mínimo e máximo do benefício?

O afastamento mais comum é de 120 dias corridos, mas há ainda empresas que participam do Programa Empresa Cidadã. Nesse caso, a licença maternidade será de 180 dias corridos.

Empresas que aderem a esse programa recebem um incentivo fiscal por ampliar a licença maternidade. Dessa maneira, antes de contar com os 180 dias, é necessário conferir com a empregadora se ela é ou não adepta a esse programa.

Qual é o valor do salário?

Para mulheres que têm a carteira assinada ou exercem algum trabalho doméstico, o salário mensal é o mesmo de seu salário habitual — é como se ela ainda estivesse trabalhando. Isso também garante o dissídio e o décimo terceiro salário.

Já quem não tem carteira assinada, mas paga mensalmente a Previdência, recebe um salário proporcional, desde que tenha contribuído para o INSS por pelo menos 10 meses.

Há, ainda, o caso das seguradas especiais que, comprovada a atividade rural, recebem o benefício de um salário-mínimo mensal.

De todo modo, o cálculo do valor do salário é feito pelo INSS com base no banco de dados do CNIS (Cadastro Nacional de Informações Sociais) — assim, a remuneração de cada cidadã é analisada individualmente. Dessa forma, é necessário entrar em contato com a Previdência Social para avaliar a situação.

Quem realiza os pagamentos?

Os custos finais do salário-maternidade são arcados pela Previdência Social, mas a forma como os pagamentos são realizados varia de situação para situação.

A primeira hipótese é a da segurada com algum vínculo de emprego formal, em que o recebimento é intermediado pelo empregador. Isto é, a empresa paga o salário-maternidade e, posteriormente, obtém o ressarcimento da despesa.

Já o segundo caso é o das seguradas sem contrato de emprego. As profissionais nessa condição requerem o salário-maternidade ao INSS e são remuneradas diretamente pelo órgão.

Quais são as hipóteses em que o pai pode receber salário-maternidade?

A legislação criou algumas situações especiais em que o salário-maternidade é concedido para o segurado homem. No entanto, lembre-se: isso não deve ser confundido com a licença paternidade. Confira a seguir:

Processo de Adoção

Com a lei nº 12.873/2013, cada processo de adoção pode dar origem a um benefício de salário-maternidade, independentemente dele ser obtido pelo pai ou pela mãe adotante.

Esse novo procedimento ajusta a legislação em situações que já ocorrem ou que podem ocorrer em um futuro próximo. São exemplos a adoção realizada pelas seguintes personagens:

  • pai solteiro;
  • casais homoafetivos;
  • casais em que apenas o homem preenche a carência legal, entre outras.

Falecimento da mãe

Em alguns casos, o pai é surpreendido com a incumbência de manter todos os cuidados do menor diante do falecimento da mãe.

Por isso, a lei previdenciária permite a transferência do benefício para o cônjuge ou companheiro, desde que ele também ostente a condição de segurado e a criança tenha sobrevivido.

O que ocorre em caso de aborto não criminoso?

Nos casos de aborto involuntário ou autorizado pela legislação, a licença maternidade é interrompida. Porém, a mulher terá direito a um repouso remunerado de 2 semanas.

Após o encerramento desse período, a colaboradora deve voltar às atividades que ocupava antes do licenciamento para cuidados do menor.

O que é estabilidade da gestante?

Como a licença maternidade representa um custo para as empresas, uma vez que existe a necessidade de substituir a trabalhadora durante o afastamento, houve a preocupação com a possibilidade de demissão imediatamente após o retorno.

Consequentemente, as gestantes recebem uma proteção contra demissão sem justa causa, da data de início da gravidez até 5 meses após o parto, mesmo se o empregador desconhecer sua condição.

Pois bem, após ler este post, você já sabe tudo sobre como funciona a licença maternidade, não é mesmo?

Então, curta nossa página no Facebook para se manter atualizada sobre os direitos trabalhistas e a gestão de recursos humanos. Lá você encontrará nosso conteúdo em primeira mão!

NOVIDADES DO BLOG

Receba semanalmente as novidades do blog e transforme o seu recrutamento!

Continue lendo:

Férias coletivas: entenda como funciona e a sua regulamentação!

Férias coletivas podem gerar dúvidas nos profissionais de RH, principalmente em relação ao cumprimento das regras previstas na CLT. Além disso, nem sempre, todos os trabalhadores preenchem os requisitos necessários para os  continue lendo »

Você sabe o que é dissídio? Entenda como funciona e como é calculado

Dissídio é uma palavra bastante comum no ambiente empresarial, mas esse termo pode ser motivo de grande dor de cabeça para os gestores de recursos humanos, caso eles não tenham  continue lendo »

Adicional noturno: entenda as principais regras e como calcular

Você sabe quais as principais regras sobre o adicional noturno? Esse pagamento levanta diversas dúvidas no setor de recursos humanos. Afinal, o conhecimento da legislação é fundamental para entender seu  continue lendo »

Aviso prévio: o que você precisa saber sobre o assunto?

As regras de aviso prévio são frequentemente aplicadas no cotidiano do setor de Recursos Humanos. Isso porque, querendo ou não, a demissão de funcionários faz parte da rotina do departamento.  continue lendo »

Pedido de demissão: entenda como funciona o processo

O pedido de demissão é um tema que gera muita confusão, tanto para empregadores quanto para funcionários. Profissionais de RH devem estar atentos a todas as etapas do processo, desde a carta de  continue lendo »

Pró-labore: saiba qual a diferença entre ele e o salário

Pró-labore e salário são termos muitas vezes confundidos, mas que têm significados diferentes no contexto de uma empresa. Um está direcionado aos sócios-administradores do negócio, enquanto o outro está relacionado  continue lendo »