Qualidade de vida no trabalho: qual a sua importância afinal?

12 de Janeiro de 2018
Kenoby

Nunca se falou tanto sobre qualidade de vida no trabalho — e, provavelmente, o assunto será cada vez mais discutido no futuro. A verdade é que as empresas precisam reorganizar seu ambiente de trabalho para garantir bem-estar às equipes.

Pode não parecer, mas o investimento em qualidade no espaço corporativo possui custos ínfimos, se comparados à falta deste recurso. Equipes insatisfeitas são improdutivas, mais propensas a erros, atuam no limite do estresse e costumam se envolver em diversos conflitos.

O investimento no bem-estar das equipes, por outro lado, produz diversos efeitos positivos, como o maior comprometimento dos profissionais. Segundo a Sodexo, empresas que se preocupam com essa questão são (em média) 86% mais produtivas.

Quer entender mais sobre o assunto, sua importância e como otimizar a qualidade de vida no trabalho? Continue a leitura do guia que criamos para você!

O significado de qualidade de vida no trabalho

Em primeiro lugar, é preciso conceituar o que é ter qualidade de vida. Muitas empresas já criaram espaços de lazer para seus funcionários — com mesas de sinuca, videogames e muito mais —, porém, definitivamente, isso não é o mais importante.

É possível melhorar a qualidade de vida com poucos investimentos, mudando especialmente alguns hábitos dentro da empresa. Oferecer qualidade de vida significa respeitar os profissionais nos aspectos físico e mental, garantindo que tenham boas condições para desempenhar suas tarefas diárias.

Algumas mudanças, como a melhoria da iluminação do ambiente de trabalho e otimização da comunicação interpessoal, já fazem toda a diferença. Para isso, é preciso algum investimento financeiro e, principalmente, comprometimento da liderança.

A importância da qualidade de vida para a empresa

A questão principal é: em que isso beneficia a empresa? Antes de oferecer a resposta, é preciso entender o atual contexto mercadológico. As companhias nunca estiveram inseridas em um mercado tão disputado, com clientes e concorrentes ávidos.

Segundo o IBGE, cerca de 6 em cada 10 empresas fecham antes de completar 5 anos de atividade. Este é apenas um dos diversos dados sobre o assunto.

Para se sobressair, as empresas precisam encontrar um diferencial que possa destacá-las no mercado. Como as ideias são abundantes, as tecnologias e estratégias podem ser facilmente copiadas. Nesse sentido, o real diferencial está nas pessoas — isto é, nos colaboradores.

É possível afirmar que uma empresa que investe na qualidade de vida no trabalho e que beneficie toda a sua equipe é muito mais competitiva. Buscando isso, ela consegue contar com profissionais motivados, comprometidos e capazes de entregar ótimos resultados.

O investimento também faz com que o absenteísmo caia vigorosamente, tornando os profissionais mais aplicados ao cumprimento dos horários e da jornada de trabalho. O mesmo acontece com o turnover, reduzindo a evasão dos talentos.

Na medida em que uma empresa investe na qualidade de vida, pode observar melhorias na atração de talentos, reputação da empresa, produtividade e até lucratividade. De acordo com a Sodexo, o bem-estar torna as empresas (em média) 70% mais rentáveis.

Por tudo isso, o assunto deve estar presente nas reuniões estratégicas e deve ser de responsabilidade não apenas do RH, mas dos demais líderes e sócios do negócio. Dessa maneira, resultados significativos podem ser conquistados.

Tudo o que foi falado acima, reflete diretamente na Marca Empregadora. Se quer saber mais sobre esse tema, baixe gratuitamente o E-book: Manual para desenvolver a Marca Empregadora.

E-book: Manual para desenvolver a Marca Empregadora


 

O que pode ser feito para melhorar a vida das equipes

Algumas ações são fundamentais para proporcionar boas experiências no ambiente de trabalho. Veja as principais delas e saiba como colocar em prática na sua empresa:

Manutenção do equilíbrio entre vida pessoal e profissional

Não é difícil ver profissionais que passam do seu horário por diversos dias seguidos para entregar um projeto ou relatório ao seu líder imediato. Isso demonstra empenho, porém, desequilibra sua vida pessoal/profissional, prejudicando-o.

Uma medida simples é ter políticas mais claras sobre a jornada de trabalho, indicando que as horas extras só devem ser feitas quando realmente for necessário. Nos casos em que o profissional acumular um número considerável de horas, induza-o a trocar por um dia de lazer.

Incentivo de práticas saudáveis na empresa

Ir de bicicleta para o trabalho, alimentar-se com mais qualidade no refeitório, realizar exercícios de ginástica laboral e praticar algum tipo de esporte são bons exemplos de práticas que podem — e devem — ser incentivadas na organização.

Melhoria do ambiente de trabalho

Esse ponto vai variar muito de acordo com o orçamento da empresa. Se há recursos para investir em uma sala de descanso ou jogos, ótimo! O retorno financeiro será visto no aumento do comprometimento e produtividade da equipe.

Todavia, é possível investir menos e ter ótimos resultados. Melhore questões, como luminosidade, acústica e temperatura do espaço de trabalho, além da ergonomia dos móveis de escritório. Esse é um excelente começo.

Otimização do diálogo com os profissionais

Sem dúvida, a comunicação tem uma forte influência na maneira como os profissionais se relacionam internamente. A falta de diálogo deixa os colaboradores sem orientação, culmina em erros e conflitos dentro do estabelecimento.

A melhoria da comunicação deve, antes de qualquer coisa, considerar o comprometimento da liderança. Os superiores precisam aprender a cascatear as informações aos seus subordinados, mantendo-os sempre informados do que é preciso.

Como mensurar a qualidade de vida dos profissionais

Existem diversos indicadores de RH que podem ser usados para ter uma visão sistêmica do que está acontecendo dentro da empresa, além de subsidiar decisões estratégicas.

Para mediar a qualidade de vida no trabalho, um importante indicador é o turnover. Nenhum profissional deseja permanecer em uma empresa que não oferece bem-estar, e quando isso acontece, sai em busca de outras oportunidades em companhias concorrentes.

Outro fator que deve ser considerado é o nível de assiduidade. A falta de qualidade faz com que os colaboradores encontrem pretextos para faltar ou atrasar constantemente, aumentando assim o nível de absenteísmo.

Para finalizar, é importante considerar o número de conflitos interpessoais. Se os profissionais estão sempre entrando em discussões, é sinal que o clima da organização está pesado e carece de melhorias significativas.

Como se pode ver, um ambiente de trabalho adequado é de suma importância para o bem-estar dos profissionais. Sem isso, é provável que a empresa nunca consiga reter seus talentos, atender bem os clientes ou se destacar da concorrência.

Agora que compreende a importância da qualidade de vida no trabalho, aproveite para descobrir o que a falta de investimentos no assunto pode fazer e conhecer mais sobre a Síndrome de Burnout. Até a próxima!

NOVIDADES DO BLOG

Receba semanalmente as novidades do blog e transforme o seu recrutamento!

Continue lendo:

Universidade corporativa: O que é e como funciona?

A Universidade Corporativa é um instrumento-chave da estratégia de capacitação dos colaboradores. Gigantes como a distribuidora AmBev ou a fabricante de veículos Chevrolet já usam essa ferramenta para o treinamento  continue lendo »

Doenças Ocupacionais: Saiba o que é, exemplos e como evitar

As doenças ocupacionais costumam afetar um grande número de pessoas e é um dos principais motivos de afastamento de funcionários. Em 2014, o Ministério do Trabalho registrou mais de 250 mil  continue lendo »

Neuroplasticidade: Utilizando esse conceito para desenvolver colaboradores

O corpo humano é uma máquina poderosa e cheia de recursos surpreendentes, que favorecem a nossa adaptação às mais diversas situações. Graças a essa capacidade, somos capazes de sobreviver em  continue lendo »

Plano de cargos e salários: saiba como implementar

Existem muitas ferramentas que otimizam a gestão de pessoas, tornando essa atividade mais eficiente e eficaz. Uma ferramenta bastante utilizada é o plano de cargos e salários, porém, ainda há muitos  continue lendo »

Estresse no trabalho: evitando que esse problema alcance os colaboradores

Os dados são preocupantes! De acordo com o Anuário da Saúde do Trabalhador elaborado pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), o número de pessoas afastadas do trabalho por conta de doenças ocupacionais  continue lendo »

Retenção de talentos: conheça a sua importância para a empresa

Implantar uma estratégia que favoreça a atração e a retenção de talentos não é uma tarefa fácil, já que as relações de emprego passaram por grandes mudanças nos últimos anos. As vagas  continue lendo »