Remuneração variável: o que é e como funciona? Descubra!

11 de setembro de 2018
Kenoby

A remuneração tradicional é um fator estratégico para atrair e reter talentos. Mas é necessário ter prudência: elevá-la pode prejudicar a rentabilidade da empresa. Por essa razão, vários empresários e gestores utilizam o modelo de remuneração variável.

Alguns especialistas como Bob Fifer, autor do livro “Dobre seus Lucros”, destaca a importância de adotar uma remuneração variavelmente agressiva, na qual os profissionais possam ganhar mais ou menos, de acordo com a performance (isto é, as metas batidas).

Quer saber o que é remuneração variável, como ela funciona e como implantá-la na sua empresa? Então, continue lendo o artigo, pois vamos explicar tudo!

O que é remuneração variável?

Apesar de ser muitas vezes confundida com o salário — que é o montante fixo pago mensalmente ao empregado — a remuneração variável tem suas peculiaridades. Além do salário, soma-se à remuneração: bônus, premiações, incentivos e outras regalias.

Nesse sentido, é possível afirmar que a remuneração variável é um conjunto de recompensas que complementam o salário fixado. Ela permite que o profissional talentoso conquiste um montante financeiro significativamente maior no final do mês, de acordo com o seu desempenho em atividades previamente estabelecidas.

Há uma série de valores que podem fazer parte dessa remuneração, como o comissionamento dos vendedores e a participação nos lucros da empresa. Para definir os melhores, é necessário considerar o perfil da equipe e a cultura organizacional.

A remuneração variável faz parte de uma poderosa estratégia de motivação das pessoas. Ela é utilizada nas maiores e mais bem-sucedidas organizações do mundo, e pode ser aplicada em seu negócio.

Antes de continuar, aproveite e baixe agora nossa apresentação mensal de indicadores de RH.

Quais os principais tipos de remuneração variável?

Uma grande dúvida é: quais os tipos de remuneração variável e qual a melhor para a minha empresa? Sem dúvida, são muitas as opções. Confira as principais:

Comissão de vendas

É o incentivo mais utilizado para os profissionais de vendas. Basicamente, consiste em retribuir o talento de acordo com o seu volume de transações, geralmente com um percentual preestabelecido e que pode ser progressivo — nesse último caso, há um modelo de comissionamento escalável (quem vende mais, ganha mais).

Uma concessionária, por exemplo, pode oferecer uma comissão que vai de 0,5% a 1% na venda de cada carro, de acordo com o número de automóveis comercializados.

Participação nos lucros ou resultados (PLR)

Este modelo tem um perfil mais coletivista e acaba por beneficiar todos que são parte da empresa ou equipe de trabalho. É uma espécie de redistribuição do lucro obtido, garantindo que os profissionais que fizeram parte do sucesso também sejam recompensados (gerando entusiasmo para os meses seguintes).

Por vezes, essa redistribuição do lucro é feita a cada trimestre — de acordo com os resultados do exercício (DRE). Logo, se a empresa é lucrativa, todos ganham.

Premiações financeiras ou não

São bonificações oferecidas aos profissionais que atingem determinado resultado. Por exemplo, quem indica um novo cliente recebe uma bonificação de R$100,00. Há de igual modo, premiações não financeiras, como: viagens, almoço com acompanhante, vantagens no trabalho e premiações em bens duráveis (celular, GPS etc.).

No caso da premiação, não há uma constância. É possível que um profissional seja premiado mais de uma vez no mesmo mês e, no outro, não. As premiações não financeiras, como a viagem de incentivo, geram ótimas recordações e são capazes de fidelizar os talentos à empresa.

Campanha de incentivo

A campanha de incentivo tem data para início e para fim, e todos os funcionários devem estar cientes disso. Na verdade, é uma ação de marketing com ênfase nos colaboradores — o famoso endomarketing. É necessário criar um objetivo e estimular os profissionais no seu alcance, depois recompensar os que foram bem-sucedidos.

Sendo assim, é um modelo de remuneração variável com período bem definido, diferente do comissionamento e da PLR. É muito indicado para períodos sazonais, como o Natal ou Páscoa, nos quais há alta na demanda do mercado.

Remuneração por produtividade

Para setores onde é difícil recompensar os profissionais com base no volume de vendas, o ideal é trabalhar com métricas de produtividade. Isto é, adotar uma política de remuneração na qual cada funcionário será recompensado de acordo com o volume produzido. Assim, também é possível estimular uma melhor performance.

Em geral, não é fácil definir o tipo de remuneração variável. É preciso analisar o tipo de cultura que deseja criar, a saúde financeira da empresa e o perfil dos talentos. Entretanto, é necessário que haja diferenças de remuneração marcantes, associadas às diferenças de performance e contribuição para a lucratividade da empresa.

Quais os benefícios da remuneração variável?

Os profissionais devem ser retribuídos com generosidade pelo trabalho realizado, assim podem sentir que participam dos benefícios de criar um negócio bem-sucedido. Para tanto, oferecer um salário fixo a todos não é o melhor caminho.

Imagine uma equipe com 10 vendedores. Se todos recebem exatamente o mesmo montante financeiro no final do mês, sem levar em consideração o seu desempenho, é difícil que alguém se sinta motivado a destacar-se. O mesmo acontece com os outros níveis de funcionários. Logo, todos devem ter diferenças de remuneração marcantes.

O benefício é a motivação. Os talentos passarão a entender que serão retribuídos de acordo com a performance e o lucro da organização. Dessa forma, a remuneração variável estimula a produtividade dos profissionais, trazendo mais lucro para a própria empresa.

Há também o estímulo na atração de novos talentos. Os melhores profissionais do mercado de trabalho querem ser recompensados de acordo com o seu desempenho, e não de maneira genérica. Eles sabem que são melhores que a média e querem ser reconhecidos dessa forma. Ou seja: será mais fácil atrair gente talentosa.

Esses são apenas alguns dos benefícios. A remuneração variável retém os talentos, otimiza a produtividade diária, gera entusiasmo e corrobora com a construção de uma cultura de alta performance.

Agora você está por dentro do tema. Aproveite para implementar o modelo de remuneração variável e garantir a recompensa dos profissionais acima da média na sua empresa. Assim, todos — funcionários e investidores — serão beneficiados.

Se você gostou deste artigo, assine nossa newsletter e receba novos conteúdos de gestão de pessoas, liderança e negócios diretamente em seu e-mail.

Rating: 5.0/5. From 1 vote.
Please wait...
Aumente a assertividade no seu R&S!

NOVIDADES DO BLOG

Receba semanalmente as novidades do blog e transforme o seu recrutamento!

MATERIAIS GRATUITOS:

Certificação em Recrutamento e Seleção

Apresentação Mensal com Indicadores de RH

Kit - Entrevista de Candidatos

CONFIRA + MATERIAIS GRATUITOS

Continue lendo:

Etapas do treinamento e desenvolvimento: entenda mais sobre o assunto!

Conheça as etapas do treinamento e desenvolvimento: 1. Compreenda as necessidades de treinamento por meio de pesquisas, como a pesquisa de clima; 2. Faça um planejamento do programa de treinamento;  continue lendo »

Carreira no RH: como se desenvolver profissionalmente na área

Na medida em que foi ganhando um papel cada vez mais estratégico nas empresas, a área de Recursos Humanos passou a demandar profissionais com habilidades mais variadas, que a permitam  continue lendo »

O que é um organograma vertical? Conheça suas vantagens!

De todos os modelos de representação para a organização administrativa de uma empresa, pode-se dizer que o organograma vertical é o mais popular. Por mostrar de forma mais clara a  continue lendo »

Organograma horizontal: o que é, para que serve e como fazer

Flexibilidade na liderança, foco em projetos prioritários e ambiente informal que estimula a motivação e a criatividade. Essas são algumas características que as empresas buscam ao organizar sua hierarquia interna  continue lendo »

Organograma funcional: o que é e como desenvolver

O organograma é um gráfico importante para entender as relações dentro de uma empresa, como os trabalhos são delegados e a quem cada funcionário responde. Dentro dos diversos modelos existentes,  continue lendo »

Organograma circular: Entenda como esse modelo ressalta o trabalho em equipe e saiba como criar um

Ferramenta importante no processo de gestão de uma empresa, o organograma circular permite a visualização da estrutura administrativa da organização, com todas as suas áreas, departamentos e relações. Existem diferentes  continue lendo »