Tipos de gestão de pessoas: saiba qual o melhor para sua empresa

8 de agosto de 2019
Kenoby

Conhecer os tipos de gestão de pessoas é essencial para criar um negócio bem-sucedido, assim como para adequar o RH à cultura da empresa. As boas práticas de gestão devem ser pensadas desde o recrutamento e seleção até o processo de desligamento.

Alguns líderes trabalham com o poder da coerção, outros são mais flexíveis ou preferem gerenciar com base nas competências. Qual desses modelos é o mais eficaz? Como eles beneficiam — ou prejudicam — a administração do capital humano e a empresa?

Nós reunimos tudo o que precisa saber sobre o assunto. Vamos esclarecer quais são os tipos de gestão de pessoas e como aplicá-los (ou não) dentro da organização. Boa leitura!

O que é gestão de pessoas?

Primeiro, vamos tratar de um conceito mais básico: a gestão de pessoas. Em resumo, esse conceito se refere ao conjunto de práticas para contratar, alinhar, estimular e desenvolver colaboradores tornando-os mais maduros e competentes no trabalho.

É comum que as pessoas limitem esse tipo de gestão ao setor de Recursos Humanos, o que não é adequado. A gestão de pessoas é responsabilidade de toda a alta administração, em especial dos superiores imediatos. Eles gerenciam seus subordinados e equipes.

Por melhores que sejam as práticas do RH, sem o consenso, apoio e compromisso da liderança imediata, é muito difícil promover mudanças e melhorias. Por causa disso, toda a liderança deve se comprometer a melhorar a gestão do capital humano.

Antes de continuar, aproveite para baixar a nossa apresentação mensal de indicadores de RH!

Quais são os tipos de gestão de pessoas?

Se você parar para observar algumas empresas, notará singularidades na forma como as pessoas são lideradas, trabalham e se relacionam. Em alguns lugares, tudo está centralizado em uma única pessoa – pode ser o diretor ou o dono, por exemplo. Em outros, há flexibilidade e um forte espírito democrático. Confira os diferentes tipos!

Coercitiva

Para entender esse modelo de gestão é preciso compreender primeiro o termo “coercitivo”. Ele significa coagir alguém a fazer algo, ou melhor, forçar ou obrigar. É, em si, um método que utiliza como força motriz a autoridade e o poder posicional.

Você já deve ter ouvido frases do tipo “aqui, quem manda sou eu!” ou “manda quem pode, obedece quem tem juízo”. Elas refletem muito bem o estilo coercitivo, pois associam as práticas ao poder de outra pessoa – seja o líder ou o dono da organização.

No curto prazo, a coação pode ser uma arma eficaz. O funcionário pode fazer algo por se sentir pressionado, intimidado ou envergonhado. No longo prazo, a história é outra. Por isso, esse tipo de gestão de pessoas é acompanhado de altos índices de rotatividade.

Autocrática

Mais uma vez, é preciso entender a palavra. “Autocrático” vem do grego e significa algo como “poder por si só”. É um tipo de gestão centrada no comando de uma única pessoa, geralmente o dono ou o diretor executivo da empresa. É a gestão centralizada.

Nesse caso, os gestores e líderes de “baixo escalão” têm pouca autoridade e continuam dependendo do poder centralizado para liderar suas equipes. Nem sempre há coação, mas o excesso de autocracia engessa o trabalho e limita os resultados.

Democrática

A gestão de pessoas democrática parte da premissa de que todos são importantes, por isso devem ser ouvidos e respeitados. É um modelo de trabalho mais colaborativo, que depende do empenho conjunto para alcançar ótimos resultados.

Nesse caso, o mais comum é ouvir frases do tipo “não se gerencia pessoas, se gerencia com pessoas”. É um tipo mais equilibrado no qual todos colaboram para chegar a um denominador comum. O difícil é achar o ponto de equilíbrio ideal para o empreendimento.

Liberal

Como o próprio nome sugere, é um tipo de gestão mais desprendida e que se preocupa pouco com regras e protocolos. Também chamada de Laissez-faire, termo francês que significa “deixai fazer”, ela se baseia na autogestão e na maturidade do indivíduo.

Algumas das empresas mais modernas, como a Zappos, têm adotado esse tipo de gestão de pessoas. Elas estão substituindo a hierarquia tradicional, eliminando cargos de comando e trabalhando por meio de equipes e projetos, algo muito mais livre.

Claro, existe o lado negativo. Sem uma forte senso de compromisso e performance, é provável que os colaboradores fiquem acomodados e entreguem resultados menores. Além disso, por falta de comando, é possível que as respostas sejam mais demoradas.

Afetiva

A gestão de pessoas afetiva está baseada na pessoalidade. De certo modo, é natural às empresas brasileiras. Não é só um contrato de trabalho, mas também uma aliança entre empregado e empregador – que deve ser zelada e respeitada a todo custo.

Os líderes passam a ser vistos como amigos próximos ou, pior, como parentes da mesma família. Se por um lado esse estilo causa fidelidade e retenção, por outro pode minar a cobrança por resultados e tornar o desligamento algo muito mais difícil.

Por competências

No modelo de gestão por competências, os colaboradores não são reconhecidos e recompensados por sua proximidade com a liderança, mas por suas competências técnicas e comportamentais, bem como pelos resultados entregues.

Nesse tipo de gestão, há avaliações contínuas para definir quem é competente e merece fazer parte do time. Elas são feitas desde a seleção, com análises de perfil comportamental, até o dia a dia no trabalho, com avaliações de desempenho em 360 graus.

Qual é o melhor tipo de gestão de pessoas?

É uma pergunta complexa e que pode variar de acordo com fatores internos e externos, por exemplo, o líder, os liderados, a maturidade da empresa e o contexto econômico.

Todavia, nos dias atuais, modelos baseados na coação, autocracia ou afetividade podem lesar bastante a organização e os seus colaboradores. Eles engessam a relação empregado-empregador, minam o trabalho e resultam em conflitos indevidos.

Em razão disso, é recomendável investir na gestão democrática ou liberal sem perder de vista as competências técnicas e comportamentais dos profissionais. Esses modelos são sinônimos de confiança, trabalho conjunto, desempenho e inovação.

Como é possível observar, há muitos tipos de gestão de pessoas. Algumas empresas ainda estão presas às práticas do passado, sempre usando coação para obter o que desejam dos seus funcionários. Claro, não é o modelo ideal. É preciso buscar por uma gestão consciente, na qual o talento entenda e desempenhe o seu papel com êxito.

Aproveite para assinar a nossa newsletter e receber novidades diretamente no seu e-mail. Estamos sempre criando e compartilhando materiais sobre liderança, gestão de pessoas e seleção de talentos.

Rating: 5.0/5. From 1 vote.
Please wait...
Aumente a assertividade no seu R&S!

NOVIDADES DO BLOG

Receba semanalmente as novidades do blog e transforme o seu recrutamento!

Kit - Entrevista de Candidatos

MATERIAIS GRATUITOS:

Certificação em Recrutamento e Seleção

Apresentação Mensal com Indicadores de RH

CONFIRA + MATERIAIS GRATUITOS

Continue lendo:

Entenda qual a importância e como implementar o onboarding na empresa
Entenda qual a importância e como implementar o onboarding na empresa

Quando um profissional ingressa na empresa, tudo é novo para ele: procedimentos básicos, colegas, liderança, mesa de trabalho… tudo muda de uma hora para outra e, quanto mais rápido ele  continue lendo »

Teste DISC: confira 7 dúvidas e descubra a sua importância para o RH
Teste DISC: confira 7 dúvidas e descubra a sua importância para o RH

Embora sejam fundamentais, as competências técnicas não garantem o sucesso em uma função quando estão isoladas. Por este motivo, testes comportamentais, como o teste DISC, ganham cada vez mais importância nas  continue lendo »

Entenda o que é o headhunter e qual o seu papel
Entenda o que é o headhunter e qual o seu papel

Você já se perguntou o que é headhunter? O termo é bem conhecido dentro do ambiente corporativo, mas nem sempre as pessoas têm total clareza do que ele significa e de  continue lendo »

Os 7 principais tipos de remuneração e como utilizá-los
Os 7 principais tipos de remuneração e como utilizá-los

Alguns dos principais tipos de remuneração, que nós abordamos ao longo do texto, são: Gratificação funcional; Participação acionária; Remuneração variável; Gratificação por habilidades; Premiações e comissões; Salário indireto e Participação  continue lendo »

Recursos Humanos: TUDO o que você precisa saber sobre o RH
Recursos Humanos: TUDO o que você precisa saber sobre o RH

A área de Recursos Humanos, ou RH, como é conhecido o setor responsável pela gestão de pessoas, é um conjunto de técnicas e práticas realizadas pelos profissionais que atuam com  continue lendo »

Diversidade nas organizações: como  promover e qual a sua importância
Diversidade nas organizações: como promover e qual a sua importância

A diversidade nas organizações tem sido uma preocupação constante da gestão das empresas comprometidas com o desenvolvimento de seus talentos e mercados. Isso porque uma equipe com características distintas é  continue lendo »