Um processo seletivo bem-feito é muito importante dentro de uma organização. Ele garante a contratação dos profissionais certos para a empresa, reduzindo o turnover e contribuindo para a produtividade do time envolvido.

Para isso, é fundamental organizar todo o processo de forma hábil e perguntas eliminatórias podem ser grandes aliadas nessa tarefa. Quer saber como elas funcionam? Confira!

O que são as perguntas eliminatórias?

O processo seletivo é ótimo para estabelecer, da melhor forma possível, qual seria aquele candidato que mais combina com a vaga que a empresa oferece. As perguntas eliminatórias, então, cumprem exatamente essa função, mas antes de os recrutadores entrarem em cena.

Esse conjunto de questões será respondido, deixando mais claro se os requisitos da vaga foram ou não atendidos. Quem não atender aos requisitos passa desde já a não ser mais considerado para o cargo, sendo eliminado ainda nessa etapa de preenchimento de formulários.

Muitas empresas adotam a tática das perguntas inusitadas, isto é, usam questões que fogem do senso comum e que o aspirante ao cargo não esperaria encontrar. As chances de receber textos ensaiados como resposta, no caso, são menores — e, consequentemente, se conhece melhor cada candidato.

Como os testes de triagem funcionam?

Os processos seletivos estão, a cada dia, mais criteriosos. As perguntas eliminatórias, por sua vez, devem começar a ser feitas desde a primeira etapa do recrutamento.

Já na ficha de preenchimento de interesse na vaga, é importante fazer aquelas perguntas essenciais para averiguação dos candidatos. Assim, pode-se eliminar aqueles que não combinam com o perfil da empresa (ou da vaga) e fazer uma triagem bem mais eficiente.

Além disso, uma boa ideia é separar os candidatos em grupos: aqueles que acertaram 50% do questionário; os que acertaram 80%; e aqueles que foram bem em percentual maior do que aquele nível. Com isso, pode ser improvisado um banco de talentos, a fim de utilizar em outras oportunidades.

Quais perguntas devo fazer no processo seletivo?

O ideal é que o empreendedor ou gestor de RH saiba o que esperar, exatamente, do profissional a ser contratado. Assim ele será capaz de fazer indagações e levantar demandas específicas para o emprego.

Lembre-se que as perguntas não podem ser abertas! Somente com as alternativas será possível calcular um percentual de adequação ao perfil buscado para a vaga. Por isso, sempre crie opções para o candidato selecionar.

Existem algumas questões de praxe para os candidatos. Veja alguns exemplos:

“Por que você saiu do seu último emprego?”

O intuito ao fazer tal questão é descobrir eventuais distorções daquele profissional e saber por que, exatamente, ele não está mais empregado. É importante saber, também, se ele foi demitido ou decidiu sozinho por sair do local. E, é claro, qual foi a razão para isso.

Assim, você conhecerá a índole do profissional, além de como é o seu ritmo de trabalho.

“Você pode nos dar um exemplo de case de sucesso?”

Ao solicitar por um case de sucesso de seu candidato, você ficará sabendo quais são suas reais habilidades e descobrirá se ele, de fato, combina com sua empresa.

Um case de sucesso constitui-se, basicamente, de uma situação desafiadora encontrada pelo candidato e que foi solucionada de forma eficaz e com grande retorno. Podem ser usadas tanto as experiências profissionais quanto pessoais, desde que repercutam as qualidades certas da pessoa.

“O que te irrita nos colegas de trabalho?”

A pergunta claramente diz respeito à dinâmica de convivência do candidato com a equipe já existente na empresa. Fique de olho naqueles que completam longas listas de reclamações, ou que parecem se importar muito com situações menores do dia a dia.

Esses seriam indícios de que ele não socializará bem com sua equipe de colaboradores.

As perguntas eliminatórias podem ajudar muito com o processo seletivo de uma empresa. Gostou das dicas? Compartilhe esse texto nas suas redes sociais.

NOVIDADES DO BLOG

Receba semanalmente as novidades do blog e transforme o seu recrutamento!