1/1/1970

7 dicas essenciais sobre como ser um headhunter

7 dicas essenciais sobre como ser um headhunter

Headhunter é o termo de origem inglesa usado para se referir aos especialistas que buscam por profissionais e executivos talentosos. Em resumo, é uma espécie de caça-talentos. Mas em um mercado tão competitivo, como ser um headhunter de ponta?

Antes de responder essa questão, é preciso lembrar que o próprio mercado brasileiro é um desafio. Pesquisas apontam que 61% dos empregadores contam com dificuldades para preencher postos de trabalho, o que também é uma oportunidade para o headhunter.

Nos próximos tópicos, oferecemos 7 dicas essenciais sobre como ser um headhunter de sucesso e alcançar os profissionais mais talentosos. Portanto, continue a leitura!

1. Tenha uma ótima rede de contatos

Primeiro, é preciso ter uma ótima rede de contatos. O trabalho do headhunter é chegar onde os anúncios tradicionais não conseguem alcançar, bem como estimular executivos talentosos a participarem dos processos seletivos. Sem bons contatos, isso é impossível.

Logo, o caçador de talentos deve reforçar o seu networking. Ele precisa conhecer profissionais de variadas posições, lugares e áreas de atuação, como administradores, médicos, engenheiros e advogados. Quanto mais contatos, melhor para os negócios.

Mas é preciso deixar claro: uma ótima rede de contatos também é composta por profissionais de cargos mais baixos ou até por universitários, visto que é comum abrir vagas para trainees. Nesse sentido, o headhunter precisa ser flexível e amigável.

2. Saiba vender o peixe da empresa

O headhunter pode ser acionado nas mais diversas ocasiões, mas especialmente quando a empresa tem (ou sabe que terá) dificuldades para encontrar o profissional que deseja. Em outros termos, ele é convocado em um contexto de alta escassez.

Exatamente por isso, seu trabalho envolve convencer profissionais bem-sucedidos a tentarem uma oportunidade em outra organização. Por exemplo, levar um gerente de supply chain de uma rede de supermercados para outra, o que não é uma tarefa fácil.

Para tanto, saber vender o “peixe” é o básico. O headhunter deve focar nas vantagens da oportunidade, na qualidade do ambiente de trabalho da nova empresa, no salário competitivo, entre outros fatores atraentes. De certa forma, ele se torna um vendedor.

3. Comunique-se com alta qualidade

Desde os primórdios da humanidade, a comunicação é uma das mais importantes ferramentas do êxito. O bom diálogo garante o acordo mútuo, bem como convence e permite o alcance de ótimos resultados. Para o headhunter, é algo realmente indispensável.

O caça-talentos conversa com pessoas de diferentes áreas e níveis de conhecimento e deve convencê-las a seguir determinada direção. Isso depende de uma comunicação clara, atraente e bem estruturada, o que se aprende com a prática.

No entanto, o mais importante é saber ouvir. É necessário entender a rede de contatos, os talentos que busca prospectar, a empresa que está contratando e outros colegas de trabalho. Assim, poderá encontrar oportunidades, agir com acerto e no tempo certo.

4. Tenha metas de alta performance

O headhunter precisa ser um profissional disposto, afinal, está inserido em um ambiente de alta escassez. Isso significa que, por vezes, é preciso trabalhar longas horas por dia, viajar para lugares distantes e se atualizar continuamente.

Para atingir tal nível de disciplina, é interessante definir metas pessoais. Estabelecer pequenos resultados-chave (como concluir uma extensão ou fazer 10 novos contatos) pode ser um bom começo, mas também é preciso persegui-los com alta performance.

É importante lembrar que boas metas compartilham 5 principais características, elas são específicas, mensuráveis, alcançáveis, relevantes e com tempo bem definido (padrão chamado de SMART). Assim, podem ser alcançadas com maior facilidade.

Logo, não basta dizer “eu quero melhorar minha comunicação”, é preciso estabelecer o que melhorar, como, onde, quando e por qual motivo. Dessa forma, é possível ter maior objetividade na busca pela meta desejada e, provavelmente, melhores resultados.

5. Aprimore-se continuamente

A área de Recursos Humanos é dinâmica e tem evoluído rapidamente. Hoje, por exemplo, é possível falar no RH 3.0 e no avanço de diversas tecnologias de automação dedicadas ao recrutamento e à seleção. Logo, o headhunter deve se reciclar sempre.

Assim como um esportista, é preciso se afiar continuamente. Desenvolver novas competências técnicas e comportamentais por meio de cursos, palestras e workshops é interessante. Outra fonte de conhecimento é a experiência prática, isto é, os erros e acertos.

Profissionais desatualizados correm o risco de ficar para trás, afinal de contas, insistem nos processos e tecnologias menos eficazes. Isso resulta em perda de tempo, energia e dinheiro, além de imprimir uma imagem negativa no mercado.

6. Tenha um alto grau de ética

O headhunter lida continuamente com dados sigilosos. Ele obtém informações das empresas que abrem vagas para nível estratégico, sabe de executivos que vão sair ou entrar em novos trabalhos, entre outras coisas que exigem bastante descrição.

Nesse sentido, é preciso ser um profissional altamente íntegro. O caçador de talentos deve saber trabalhar com informações confidenciais, além de transmitir segurança para seus clientes e outras partes interessadas. Assim, certamente terá maior sucesso.

Especialmente nas contratações de níveis mais altos, antecipar informações para o mercado pode somar vários prejuízos, tanto para a empresa quanto para o talento que está sendo contratado. Logo, é indispensável que o headhunter guarde bem o que sabe.

7. Conte com boas tecnologias

Por fim, é importante que o headhunter lide bem com as tecnologias de gestão, da agenda em nuvem a modernos softwares de recrutamento e seleção. Essas ferramentas digitais podem tornar o trabalho mais ágil, estratégico e acertado.

Ao longo do recrutamento, por exemplo, é possível contar com bancos de currículos digitais, redes sociais e páginas de emprego e de carreira para atrair o maior número de talentos. Em seguida, basta colocar em prática as melhores técnicas de seleção.

Na própria etapa de seleção, há muitas tecnologias úteis. Um bom software permite a triagem automática dos currículos que contam com determinadas competências técnicas e comportamentais, bem como centraliza a comunicação e a gestão de toda a contratação.

Ao criar ou otimizar essas competências, é possível desenvolver as tarefas de headhunter com maestria. Assim, o profissional terá integridade para lidar com informações sigilosas, ânimo para perseguir grandes resultados e habilidade para vender ideias, além de uma ótima rede de contatos.

Agora que você já sabe como ser um headhunter e entende a importância da tecnologia nesse processo, aproveite para entrar em contato conosco e descobrir a solução que separamos para você. Vamos lá!

Kenoby agora é Gupy

Agende uma demonstração com a melhor e mais inovadora plataforma de RH do Brasil

agendar uma demo (gratuito)