12/1/2018

Assédio moral no trabalho é coisa séria: entenda

Assédio moral no trabalho é coisa séria: entenda

O assédio moral no trabalho, infelizmente, ainda é algo comum. Embora seja uma conduta totalmente equivocada e que só prejudica o ambiente corporativo, é uma prática antiga e que acontece em vários lugares do mundo. A boa notícia é que, nos últimos anos, casos envolvendo o assédio moral vêm recebendo mais atenção de sindicatos e lideranças.Uma pesquisa apontou que de 4,9 mil profissionais entrevistados, 52% sofreram algum tipo de assédio, mas apenas 12,5% fizeram denúncia contra a empresa. Mas, afinal,como identificar o que é assédio moral e como o funcionário pode procurar seus direitos? Confira no post.

O que é assédio moral no ambiente de trabalho?

É caracterizado pela exposição dos trabalhadores a situações vexatórias e constrangedoras dentro do ambiente laboral e no exercício de suas funções. Essa perseguição é feita por meio de atos repetitivos e prolongadosem que há a predominância de condutas negativas de chefes em relação ao subordinado. Contudo, esta prática não se limita a isso: o mesmo comportamento provocado por colegas também é considerado assédio.Geralmente, o assédio é praticado por pessoas desqualificadas para o cargo, que se sentem ameaçadas quando algum profissional demonstra capacidade ou começa a se destacar na empresa, transformando o ambiente em um lugar hostil e desagradável e provocando mal-estar físico e psicológico na vítima.

O que caracteriza o assédio moral?

As práticas que caracterizam o assédio moral estão previstas pelo artigo 453 da CLT. São elas:

  • críticas;
  • insultos;
  • ameaças;
  • instruções imprecisas;
  • sobrecarga de tarefas;
  • isolamento do funcionário;
  • restrição ao uso do toalete;
  • disseminação de boatos que prejudiquem a imagem do profissional.

O objetivo é desestabilizar a relação da vítima com o ambiente de trabalho, forçando um pedido de demissão.Outras atitudes também podem ser caracterizadas, entre elas:

  • a identificação por desempenho baixo por meio de adereços;
  • desvalorização de sofrimentos físicos e emocionais, mesmo com a apresentação de atestados médicos;
  • não permitir que a pessoa se defenda em uma argumentação;
  • tom de voz alto ou agressivo;
  • uso de brincadeiras racistas, sexistas ou fora de contexto.

É importante ressaltar que fatos isolados não caracterizam o assédio moral. O apontamento de uma falha ou solicitar a adequação de uma tarefa, por exemplo,fazeparte do trabalho. O que indica o assédio são as repetições dos atos negativos, a intenção do comportamento por parte dos líderes, a degradação deliberada do ambiente laboral, o espaço de tempo (durante a jornada de trabalho) e a direção (uma pessoa é escolhida como alvo do assédio).

Como identificar que sofri um assédio?

Para identificar se você foi vítima de assédio moral, é preciso avaliar se houve violência psicológica provocada pela exposição a situações humilhantes como: apelidos irônicos, xingamentos, desrespeito à capacidade profissional, palavras de baixo calão, perseguição pessoal, tratamento indiferente, hostil ou mais rígido em comparação aos demais, atribuição de tarefas inferiores ou muito complexas sem orientação prévia durante a jornada laboral.É importante destacar mais uma vez que acontecimentos isolados não caracterizam o assédio. A repetição desses atos é o que identifica as agressões como assédio moral no trabalho.

Como me defender em casos de assédio moral no ambiente de trabalho?

Por mais que seja uma situação difícil, é essencial não se desesperar e não reagir precipitadamente. Alguns colegas podem depor como testemunhas, embora muitos, por medo de perder o emprego, acabem aceitando um pacto de silêncio ou até mesmo participem do assédio.O trabalhador deve então reunir o máximo de provas possíveis e evitar ficar sozinho com o assediador, se preservando de uma possível violência. Procure entender se o alvo é apenas você: muitas vezes o assediador escolhe outras pessoas e persegue de maneira cíclica.Principalmente, o trabalhador deve manter-se informado para saber identificar a situação, conseguir lidar da maneira mais favorável e como procurar seus direitos. Também é importante buscar apoio em profissionais de saúde mental, família e amigos.

Quais as consequências do assédio?

O assédio moral causa várias consequências negativas à saúde e autoestima do profissional, que pode apresentar sintomas como: irritabilidade, insônia, sensação de incapacidade, dores no corpo, crises de choro, dores de cabeça, distúrbios digestivos, alterações de apetite, queda da libido, desmotivação, ansiedade e depressão, culminando no afastamento desse trabalhador.Sintomas psicológicos e psicossomáticos são muito comuns em colaboradores que enfrentam esse tipo de problema, e não é raro que os tratamentos durem anos.Algumas pessoas até mesmo chegam a desistir do segmentodo mercado de trabalho em que atuam, procurando outras funções ou investindo em empreendimentos, para se livrar de qualquer hierarquia que possa repetir os mesmos problemas.

Como denunciar um assédio moral no trabalho?

O primeiro passo é anotar todas as ocorrências: hora, data, teor da conversa, as testemunhas presentes e todos os detalhes que julgar necessários. Também é importante evitar conversar com o agressor sem a presença de algum colega ou representante. Se essas ações não forem possíveis, conversas podem ser gravadas e usadas como prova, mesmo sem o conhecimento do assediador.As ações de assédio moral devem ser em primeira instância comunicadas à empresa. Uma denúncia externa sem a tentativa prévia de resolver o problema dentro da organização não possui validade para fins processuais. Por isso, procure exigir por escrito uma explicação sobre os atos pelo departamento de Recursos Humanos da empresa. Se possível, peça que esse registro sejafeitopor meio de carta registrada.Se mesmo após a notificação dos fatos o problema persistir, o funcionário pode procurar o sindicato, registrar a ocorrência em Delegacias do Trabalho, na Superintendência Regional do Trabalho ou no Ministério Público do Trabalho. Não há lei específica prevendo a punição diante dos atos, mas o trabalhador pode deixar o emprego e pedir a rescisão indireta do contrato e indenização por danos físicos e morais.

Como processar a empresa?

Se nenhuma das atitudes surtir efeito, o funcionário pode procurar a Justiça. Porém, é importante que ele não peça o desligamento antes de entrar com o processo, para que não perca os direitos de uma demissão — como os 40% do FGTS.Pela Justiça, o trabalhador pode solicitar a demissão indireta e receber todos os direitos como se realmente tivesse sido desligado da organização.E você, já passou por alguma situação de assédio moral no trabalho ou precisou resolver algum conflito similar na empresa? Comente conosco como conseguiu lidar com a situação e compartilhe sugestões que possam amenizar o problema.

Kenoby agora é Gupy

Agende uma demonstração com a melhor e mais inovadora plataforma de RH do Brasil

agendar uma demo (gratuito)