1/2/2022

Cursos de R&S: 3 motivos para investir nos profissionais da empresa

Cursos de R&S: 3 motivos para investir nos profissionais da empresa

Não é uma novidade que as pessoas representam o ativo mais valioso de uma empresa, certo? Afinal, elas são as "engrenagens" — pode-se assim dizer — que sustentam toda a operação, fazendo-a funcionar e impactando os resultados projetados.

No entanto, o fato é que a compreensão do papel significativo que os colaboradores, de forma geral, desempenham em uma companhia nos leva a outro ponto que demanda ainda mais atenção: a necessidade de capacitar o setor de Recursos Humanos (RH) e os profissionais que atuam, em especial, no processo de recrutamento e seleção (R&S).

A razão para tanto é que os segundos são os principais responsáveis pela admissão e pela gestão dos primeiros. Portanto, quanto mais bem alinhados eles estiverem às metodologias mais eficazes e às boas práticas de mercado — e quanto mais adeptos às ferramentas tecnológicas eles forem, atualizando-se constantemente —, mais aptos estarão para a tomada de melhores decisões.

Por sua vez, essa capacitação gera um sem-número de vantagens para uma organização e é justamente acerca disso que trataremos neste post. Nas próximas linhas, confira os principais motivos para investir em cursos de R&S voltados ao pessoal que atua no RH. Boa leitura!

Como investir em cursos de R&S pode trazer benefícios para os resultados do processo seletivo e para a aquisição de novos talentos?

Um dos maiores desafios que os profissionais que atuam no setor de RH enfrentam está relacionado ao processo de R&S — no caso, mais especificamente à seleção do perfil ideal para uma determinada posição em aberto. Afinal, admitir o candidato aparentemente mais bem qualificado dentre os demais nem sempre é a escolha mais acertada.

É fundamental que o recém-contratado tenha compatibilidade com os valores, com a missão e com a visão da empresa, o que reforça a ideia de que o recrutamento já deixou de ser uma atividade engessada há bastante tempo. A bem da verdade, todo o processo não é voltado a identificar a pessoa que preenche os requisitos definidos para a vaga a ser ocupada, mas, sim, a reconhecer aquela que somará, superando as expectativas e fazendo verdadeiramente a diferença.

Levando em consideração todo esse contexto, não é difícil entender por que é tão conveniente apostar na qualificação dos profissionais do departamento de Recursos Humanos por meio de cursos de R&S. Afinal, os resultados positivos de fazê-lo reverberarão por toda a companhia, gerando reflexos na sua boa performance como um todo. Nos próximos tópicos, entenda melhor essa relação.

1. Mais precisão nas contratações

Como dito, nos dias de hoje, uma boa contratação requer um processo realmente qualificado e estruturado, a fim de elevar as chances de encontrar perfis que estejam em conformidade não apenas com o cargo vago, mas também com a cultura organizacional. No entanto, como é possível identificar — ainda durante a etapa de recrutamento e seleção — qual é o candidato que trará melhores resultados para a companhia?

Um curso de R&S que tenha sido pensado para auxiliar nas seletivas de pessoal por meio de constantes experimentações, com o propósito principal de tornar o potencial de cada um dos talentos mais evidente, capacitará o setor de RH para fazer uma escolha mais acertada. Isso porque o foco deixará de estar no currículo e passará a estar nas pessoas, o que aumenta as chances de haver um "match" entre o candidato mais adequado e a organização.

2. Facilitação da etapa de validação das competências requeridas

Houve um tempo em que bastava concluir, por exemplo, que o departamento de finanças precisava de um novo funcionário para auxiliar o quadro de pessoal da área. Entretanto, atualmente, é imperativo compreender o que se espera do candidato ideal para o preenchimento do cargo em termos de conhecimentos técnicos para o desempenho das atribuições, mas também verificar se há fit cultural.

Novamente, é possível notar o quão importante é capacitar os profissionais de R&S com o objetivo de que eles não apenas estejam suficientemente qualificados para conduzir o processo seletivo em prol desse propósito, mas também para acompanhar a pós-contratação. Nessa fase, o intuito é se certificar de que o recém-admitido realmente atende às demandas do setor contratante.

3. Mais clareza e maior integração na gestão

Por fim, investir em cursos de R&S para qualificar os profissionais do setor de RH implica a facilitação do gerenciamento de indicadores relativos ao processo de recrutamento e seleção. Isso é interessante porque, embora, em um primeiro momento, possa parecer desnecessário manipular um alto volume de dados para validar a necessidade de uma nova contratação, fazê-lo proporciona muitas vantagens.

Determinadas informações se revelam, na verdade, aspectos de peso e de alto impacto em se tratando da administração empresarial, como:

  • a previsão das vagas em aberto no orçamento da companhia;
  • a taxa de aproveitamento das últimas admissões;
  • a necessidade de elevar o número de cargos etc.

Portanto, garantir que os colaboradores que estão à frente das seletivas da companhia dominam todas essas questões e compreendem o quão relevantes são faz toda a diferença. Nesse sentido, levando em conta que um dos pilares da Kenoby é justamente a premissa de que não há pessoas erradas ocupando as vagas certas, mas, sim, pessoas certas preenchendo as posições erradas, nasceu o Método Saga.

O que é, de fato, o Método Saga?

A sua finalidade é, basicamente, orientar os processos de R&S, de modo a proporcionar um entendimento maior acerca das necessidades de uma determinada vaga em aberto e das atribuições que o perfil de candidato ideal deve ser capaz de desempenhar. A sua base reside em um processo humano e científico, cuja finalidade é assegurar o perfeito "match" entre o candidato, o cargo e a companhia. Além disso, a sua aplicação é possível em organizações de todos os nichos e dos mais diversos portes.

O Método Saga, em suma, baseia-se em cinco etapas, que compreendem:

  • arquitetar, que é uma fase de planejamento, iniciando-se no reconhecimento da necessidade de uma nova contratação e passando pela estruturação de todo o processo;
  • atrair, que está relacionada com a divulgação da vaga em aberto, levando em conta, por exemplo, o uso de uma linguagem próxima ao perfil profissional buscado, a escolha dos canais mais apropriados e a criação de uma apresentação textual atrativa;
  • qualificar, a partir de critérios que orientarão a triagem dos candidatos, a fim de valorizar aqueles que apresentam um fit cultural maior;
  • contratar, que é a fase em que as vantagens e os benefícios relacionados ao cargo são abordados, tornando o momento decisivo para o encerramento do ciclo e, por conseguinte, para a integração do recém-admitido;
  • analisar, que, embora seja um estágio que é muito presente ao longo de todo o processo de R&S, faz uso dos dados coletados para, ao final, verificar o que precisa ser melhorado e o que foi mais positivo e convém ser mantido.

Como você pôde ver, mesmo que muitas mudanças tenham ocorrido nos últimos anos em relação aos processos de recrutamento e seleção, a verdade é que alguns desafios permanecem e precisam ser contornados. Portanto, investir na capacitação dos profissionais do setor de RH por meio de cursos de R&S pode fazer toda a diferença em termos de valorização e de humanização dos candidatos e de suas experiências, tornando a busca pelos talentos mais alinhados à empresa e à vaga bem mais efetiva.

A propósito, agora que você já compreendeu o quanto o Método Saga pode fazer a diferença, transformando a forma como as contratações acontecem na empresa, que tal iniciar essa jornada que o levará diretamente aos melhores talentos? Faça a sua inscrição!

Kenoby agora é Gupy

Agende uma demonstração com a melhor e mais inovadora plataforma de RH do Brasil

agendar uma demo (gratuito)