24/11/2020

Experiência do candidato: garantindo a satisfação no processo seletivo

Experiência do candidato: garantindo a satisfação no processo seletivo

Recrutar e contratar talentos são atividades primordiais para a empresa de RH em específico, por meio dela é possível captar e integrar talentos. Deve-se, no entanto, pensar na experiência do candidato ao longo da seleção.

Como muitos processos são longos e fatigantes, alguns candidatos desistem e buscam novas oportunidades no mercado. Isso não é bom para a firma, que pode perder um grande talento para uma concorrente.

Um processo agradável contribui também para otimizar a imagem da empresa. Após todas as etapas, os candidatos, aprovados ou não, costumam falar para seus amigos e familiares sobre o processo, agindo como promotores ou detratores.

Pensando em tudo isso, decidimos criar um artigo sobre o assunto. Você entenderá como melhorar a experiência do candidato no processo seletivo, de forma prática e eficaz. Continue a leitura!

Por que proporcionar uma boa experiência do candidato?

Com a facilidade de troca de informações proporcionada pela internet, a imagem de uma empresa é facilmente construída, seja ela positiva, seja ela negativa.

Isso influencia diretamente a qualidade dos profissionais que uma organização consegue contratar. Afinal, as pessoas melhor preparadas querem colaborar com corporações que tenham um bom ambiente e ofereçam oportunidades de crescimento.

Assim como a experiência do cliente tem sido valorizada, já que essas pessoas contam com um grande poder nas mãos e muitas oportunidades de escolha, a experiência do candidato também deve ser uma preocupação das marcas.

Lembre-se de que durante uma seleção, os profissionais estão avaliando as empresas. Em alguns sites, como o Glassdoor, é possível colocar as impressões sobre o processo seletivo. Uma resenha negativa pode prejudicar muito a imagem corporativa e afastar bons profissionais ou até comprometer boa parte do esforço empregado pelo marketing da organização.

Como garantir a satisfação durante o processo seletivo?

Algumas práticas ajudam a garantir a satisfação dos profissionais, fazendo com que o processo seletivo seja uma experiência positiva mesmo que não ocorra a contratação.

Destacamos as mais importantes.

Crie um processo estruturado

É fundamental que o candidato entenda como funciona o processo seletivo e veja uma lógica em como as coisas estão sendo encaminhadas. Não é interessante criar mil etapas, o que apenas tornaria a seleção muito longa e cansativa para os participantes.

Explique logo no início como funciona o recrutamento, quantas fases ele propõe, o que acontece em cada uma e as datas previstas. Essa organização é importante tanto para os candidatos quanto para o RH.

Por exemplo: envio de currículos até o fim do mês, convocação para a segunda etapa até data X. Segunda etapa com testes de português e comportamental no dia X. E por aí vai.

Essa estruturação demonstra cuidado e organização por parte da empresa, determina um prazo máximo para que a vaga seja preenchida e permite que o profissional consiga se preparar com antecedência, principalmente se houver necessidade de faltar no trabalho atual, por exemplo.

Facilite o cadastramento à vaga

Tudo deve começar ainda no cadastramento à vaga de emprego, visto que muitos profissionais enfrentam diversas dificuldades para se cadastrarem.

É muito comum, por exemplo, páginas de carreiras: extensas demais, que não oferecem informações relevantes do cargo, que demandam informações em excesso do candidato, que são pouco funcionais e assim por diante.

Logo, em primeiro lugar, é preciso refletir sobre como os currículos serão captados da melhor maneira possível. Aqui, pode-se aproveitar páginas de emprego já existentes e consolidadas, como o SINE ou InfoJobs.

Se ainda não usa a internet para captar currículos, os candidatos devem ser instruídos a deixar na portaria — contudo, esse método é cada vez mais obsoleto. É preciso facilitar, ao máximo, a participação dos profissionais na seleção.

Mostre o propósito central da firma

Uma estratégia muito importante — e que certamente faz parte do plano de Employer Branding — é informar o propósito da organização aos candidatos. Assim, torna-se possível mantê-los ainda mais engajados no processo.

Na atualidade, empresas que vislumbram algo além do lucro são respeitadas e queridas pelos clientes e empregados que nela laboram.

Segundo pesquisa da PwC, consultoria em gestão empresarial, a geração Milennial é 5.3 vezes mais propensa a permanecer na empresa quando têm uma conexão forte com o propósito do seu empregador.

Um propósito claro faz com que os candidatos sintam que trabalharão em uma empresa que faz a diferença, logo, otimiza a experiência ao longo da seleção.

Ofereça feedback em tempo hábil

Quanto tempo leva para dar um feedback adequado aos candidatos? Se for uma semana ou mais, então não se está oferecendo uma boa experiência na seleção. Mesmo para quem não foi aprovado, gere feedbacks em tempo hábil.

Na atualidade, o que se vê são profissionais de RH que demoram demais para gerar feedback ou nem mesmo o fazem. Após algumas semanas de espera, os candidatos se dão conta que não passaram na entrevista e ficam decepcionados.

É preciso oferecer um retorno aos participantes da seleção, com cuidado para não ofendê-los. O feedback pode ser enviado por e-mail, informando ao candidato se foi aprovado. Na maioria das vezes, não é preciso entrar em detalhes.

Para ajudar você com essa atividade, faça o download gratuito dos templates para e-mail de feedback.

Não há um prazo para gerar esse retorno, mas é indicado que seja em até uma semana após o contato. Caso precise de um prazo ainda maior, é interessante informar os candidatos e instruí-los a esperar pelo momento certo.

Cumpra com os horários estabelecidos

Quando o processo de seleção é mal planejado e/ou executado, é comum que existam imprevistos que atrasem o que precisa ser feito. Logo, se a dinâmica está marcada para 8 horas, só começa efetivamente às 11 horas.

A falta de cumprimento dos horários faz com que os candidatos sintam-se menos valorizados, bem como desenvolvam uma imagem negativa da organização.

É preciso cumprir rigorosamente com os horários preestabelecidos, mostrando que respeita e valoriza o tempo de cada talento. Se a dinâmica foi marcada para 8 horas, deixe tudo pronto com 15 minutos de antecedência.

Outro problema é o atraso dos próprios candidatos. Nessa situação, é preciso estabelecer um tempo limite para atrasos — como 10 ou 20 minutos.

Estabeleça um clima adequado para a entrevista

A entrevista é um dos momentos mais importantes, no qual o candidato e selecionador ficarão cara a cara. Logo, é preciso caprichar e oferecer uma ótima experiência.

Muitos profissionais de RH ou gestores de linha constroem um clima denso para a entrevista, fazendo com que o entrevistado sinta-se desconfortável. Isso prejudica a jornada do candidato e interfere no resultado final da entrevista.

Por essa razão, é preciso construir um clima agradável, técnica conhecida como Rapport. Assim, cada profissional poderá mostrar quem realmente é, sem se sentir muito pressionado.

Há diversas dicas para construir um clima agradável, como:

  • deixe tudo preparado com antecedência;
  • releia o currículo antes da entrevista;
  • seja atencioso;
  • evite distrações ao longo na reunião;
  • crie um roteiro para a entrevista;
  • estabeleça uma conexão empática.

Para ajudar você com isso, preparamos um Kit de Entrevistas de candidatos. Faça o download gratuito desse material e utilize esse material para te auxiliar com a ação desse tópico.

Ainda é necessário lembrar que o candidato é o protagonista na entrevista, então ouça mais e fale menos. Evite interrupções contínuas ao candidato.

Melhore a experiência online

Boa parte do processo seletivo pode ser realizado online. Durante o isolamento necessário para conter a pandemia da COVID-19, muitas empresas aderiram até mesmo às entrevistas em vídeo, permitindo que toda a seleção fosse feita de maneira remota.

Isso mostra a importância de promover uma boa experiência também pelo online, por meio de uma comunicação transparente e que inclua todas as informações sobre a vaga e sobre a empresa.

Também vale investir em tecnologia, usando aplicativos fáceis e intuitivos para a candidatura. Oferecer um sistema para cadastro com problemas já dá ao profissional uma visão negativa da corporação, o que pode provocar até uma desistência.

Aumente o nível de engajamento

O engajamento é importante para qualquer empresa e já começa no processo seletivo. Criar etapas que promovam ao máximo o envolvimento e despertem o interesse do candidato traz uma percepção logo no início de marca empregadora positiva, incentivando o profissional a aplicar um esforço durante todas as etapas de seleção.

Para isso, invista em anúncios interessantes, use uma linguagem próxima das pessoas que a organização deseja contratar e mostre todos os pontos positivos de se trabalhar na empresa.

Também vale a pena investir em alguns recursos modernos capazes de aumentar o envolvimento, como a gamificação.

Com isso, o profissional percebe logo no começo a preocupação da empresa em promover uma conexão com as pessoas, e mesmo que não passe nessa seleção, provavelmente terá vontade de concorrer em outra vaga e até mesmo indicar a organização para seus colegas, ajudando a atrair novos talentos.

Use a empatia

Lembre-se de que em um processo seletivo, nem sempre os participantes dispõem de todos os recursos. Uma chamada de vídeo online pode ter um pouco de ruído ou problemas com a conexão, por exemplo.

Antes de julgar o candidato por esses problemas, procure se colocar no lugar dele e entender que podem ocorrer interrupções ou imprevistos.

Porte-se de maneira receptiva e esteja disposto a ouvir o profissional e tirar todas as dúvidas, a fim de que ele também possa tomar a melhor decisão.

A empatia é importante para promover uma experiência positiva e passar uma imagem mais humana, respeitando os limites e as dificuldades de cada um. Certamente, uma postura mais compreensiva dos recrutadores contribui para uma melhor experiência dos candidatos.

Deixe clara a cultura da empresa

A cultura organizacional é um ponto decisivo para um recrutamento preciso. Evidenciando os valores corporativos, o candidato percebe se há identificação e se vale a pena continuar participando da seleção.

Para isso, demonstre os valores, o ambiente de trabalho, o tratamento dos clientes e como os fluxos são conduzidos internamente.

Essa cultura também deve servir de parâmetro para escolher as pessoas com maior alinhamento. Boa parte dos contratados são desligados ainda nos primeiros três meses de experiência, como resultado da falta de identificação e de adaptação com o modus operandi da companhia.

O destaque aos valores e propósitos da empresa evita esse turnover e ajuda a preservar o employer branding.

Otimize os canais

As redes sociais são canais importantes de comunicação, e incluídas nas pesquisas dos profissionais quando estão procurando por informações da empresa.

Trabalhando a comunicação de maneira coerente, de forma a evidenciar a cultura organizacional e usar recursos de SEO para otimizar os resultados nos mecanismos de busca, certamente o acesso dos candidatos às informações é facilitado e traz maior segurança durante o processo.

Além disso, as redes sociais bem trabalhadas mostram que a empresa trabalha de maneira séria com a sua imagem e ajuda a transparecer valores importantes, além de auxiliar em dúvidas como o endereço, o tratamento com os clientes, dados sobre o core business, entre outros aspectos.

Ofereça um ambiente confortável

Para as etapas presenciais, é importante investir na estruturação de um ambiente confortável e pronto para receber os candidatos.

O ideal é que essa seleção não tome muitas horas no mesmo dia, sendo dividida em etapas. Se isso não for possível, deixe claro como o processo acontecerá e qual a previsão de término. Caso dure o dia todo, ofereça coffee breaks e pausas para almoço.

Providencie também banheiros limpos e suficientes para todos, além de instalações convidativas para os profissionais. Em um local sem as condições necessárias, dificilmente os participantes conseguirão apresentar todas as competências e mostrar como podem ajudar a empresa.

Conte com uma plataforma de recrutamento e seleção

Finalizando, é preciso ter a ajuda da tecnologia. Com uma boa plataforma de recrutamento e seleção, torna-se possível otimizar as diversas etapas da seleção, dar maior celeridade aos resultados e centralizar o contato com os candidatos.

Uma plataforma realiza o filtro dos candidatos que têm competência para participar da seleção, evitando-se qualquer desperdício de tempo. Também permite que propostas sejam enviadas aos aprovados, otimizando a comunicação e a experiência do candidato no processo seletivo.

A verdade é que o uso da tecnologia é cada vez mais indispensável ao RH. Uma recente pesquisa da Deloitte afirma que 56% dos processos de RH estão sendo redesenhados para aproveitar ferramentas digitais.

Não estar atento a essa transição para o RH digital coloca a empresa em desvantagem, bem como piora a experiência dos candidatos às vagas de emprego. Por isso, conte com uma boa plataforma de recrutamento e seleção.

Veja, agora você está por dentro do assunto! Use as dicas aqui citadas e obtenha ótimos resultados. Facilite o cadastramento, tenha um propósito, cumpra com horários, gere feedbacks, construa um clima adequado e conte com a tecnologia. Os cuidados com a experiência do candidato vão fazer toda a diferença na composição das equipes!

Se você precisa de ajuda para isso, entre em contato conosco e conheça a nossa solução!

jornada do candidato

Kenoby agora é Gupy

Agende uma demonstração com a melhor e mais inovadora plataforma de RH do Brasil

agendar uma demo (gratuito)