17/12/2020

Jornada do RH Digital revela que profissionais consideram seu RH pouco ou nada tecnológico ou automatizado

Jornada do RH Digital revela que profissionais consideram seu RH pouco ou nada tecnológico ou automatizado

Entre os dias 01 e 08 de dezembro, a Kenoby, startup de R&S que atua com uma plataforma que auxilia em toda a gestão do recrutamento de ponta a ponto dos processos seletivos, desde a requisição da vaga até a entrada da nova pessoa na companhia, realizou uma pesquisa em sua nova campanha “Jornada do RH Digital” para entender o cenário do RH no país e oferecer soluções capazes de auxiliar os profissionais desta área.

As informações foram coletadas com profissionais de RH das mais diversas frentes. E, dentre os resultados, a startup concluiu que a maior parte das pessoas que atuam no setor acreditam que seu RH ainda carece de investimentos. 20,7% dos respondentes afirmaram que seu RH não é nada tecnológico e/ou automatizado, 59,5% acreditam que seu RH é mais ou menos tecnológico ou automatizado (somados, os dois representam 80,2%), enquanto apenas 19,7% acreditam que seu RH é totalmente tecnológico ou automatizado.

Sobre o uso de softwares divididos entre atração, recrutamento e seleção ou processos de RH (admissão, gestão de colaboradores e integrações), 15,7% utilizam softwares de atração, recrutamento e seleção, 22,4% utilizam softwares para os processos de RH, 37,5% utiliza para ambas as frentes e 24,4% das pessoas respondentes não utilizam software algum. Apesar da porcentagem de empresas que usam ser grande, a somatória entre as que não utilizam nenhum ou utilizam apenas para uma das frentes, demonstra a carência de investimento no setor.

Novos investimentos em tecnologia em 2021

O investimento, inclusive, é um fator de esperança para o próximo ano (2021). Quando questionadas sobre o investimento no ano que vem, 45,8% das pessoas entrevistadas afirmaram que o investimento acontecerá e que já existe um plano traçado para isso, 38,8% afirmaram estar estudando a possibilidade e 15,4% contaram que o investimento no RH não é uma prioridade para a companhia.

E as dores relatadas pelas pessoas entrevistadas demonstram um RH carente de soluções em diversas frentes. Para 16,36% das pessoas entrevistadas, a maior dor do seu RH é medir e melhorar a experiência dos seus colaboradores, seguido por: realizar avaliações de desempenho (13,59%), recrutar os talentos certos e reduzir o tempo de fechamento das vagas (13,59%), integrar os softwares de RH da empresa (12,67%), melhorar os processos de admissão digital (12,67%), oferecer parcerias e benefícios inteligentes para os colaboradores (12,67%), reduzir o viés dos processos seletivos (9,22%) e reunir os benefícios dos colaboradores em um único benefício flexível (9,22%).

Quem vai investir em tecnologia

Dentre as companhias que estão estudando a possibilidade de investir em tecnologia no próximo ano, as que vão investir ou não, a divisão ficou a seguinte: estão estudando a possibilidade de investir (38,80%), divididos entre os que não acham seu RH tecnológico ou automatizado (10,37% do total), os que acham mais ou menos tecnológico ou automatizado (23,75% do total) e os que acham totalmente tecnológico ou automatizado (4,68% do total).

Já a categoria dos que não pretendem investir em tecnologia no próximo ano representa 15,38% do total que são divididos entre mais ou menos tecnológico ou automatizado (8,7% do total), nada tecnológico ou automatizado (6,02% do total) e totalmente tecnológico ou automatizado (0,67% do total). Essa informação demonstra que dentre as empresas que não pretendem investir, a menor representatividade é a de companhias que já consideram o seu RH tecnológico.

Dentre os que pretendem investir e já possuem um planejamento para isso (45,82% do total), a divisão fica em: consideram seu RH mais ou menos tecnológico ou automatizado (27,09%), não consideram tecnológico ou automatizado (20,74%) e consideram totalmente tecnológico ou automatizado (19,73%). Essa última categoria, das empresas que pretendem investir e possuem um planejamento, representa a maior parcela dos respondentes, o que demonstra a percepção da necessidade dos RHs das empresas se tornarem mais tecnológicos e estratégicos.

Viés nos processos seletivos

E quando falamos especificamente de cada uma das dores das empresas, 68,2% consideram o viés inconsciente como uma das suas preocupações nos processos seletivos, enquanto 31,8% não consideram o viés inconsciente uma preocupação.

Os números são próximos quando perguntamos se a atração personalizada de talentos, que elimine os vieses inconscientes do processo seletivo são uma prioridade, 73,9% das empresas responderam que sim, enquanto 26,1% consideram que não.

Processos de admissão

Já no processo de admissão, 72,6% dos respondentes acreditam que sua empresa se beneficiaria muito com um processo de admissão 100% digital. 6,4% acreditam que a empresa não se beneficiaria e 21,1% não souberam opinar se a empresa se beneficiaria ou não com um processo de admissão digital.

Clima organizacional

Em relação ao clima organizacional, 74,6% dos profissionais responderam que suas empresas fazem pesquisas de engajamento e clima com os colaboradores. Já as que não fazem ficaram em 25,4%.

Benefícios

Na categoria de benefícios, 58,2% dos profissionais afirmaram que suas empresas não possuem benefícios que ajudam os colaboradores em relação à saúde financeira, enquanto 41,8% afirmam que possuem. Ao mesmo tempo, 72,9% das empresas classificam como necessário um benefício digital e democrático para ajudar na saúde financeira dos colaboradores. 24,4% são indiferentes e 2,7% julgam nada necessário.

Os números se repetem na hora de considerar a experiência dos colaboradores com seus benefícios. 77,3% vêem como prioridade melhorar a política de benefícios pensando na experiência e jornada dos colaboradores, enquanto 22,7% não consideram esse fator como prioritário.

Ainda no campo da experiência dos colaboradores, 56,2% das empresas julgam necessária uma política de benefícios flexíveis, centralizados em um só lugar e garantindo autonomia para os colaboradores utilizarem. 33,1% são indiferentes e 10,7% julgam como “nada necessária” uma política de benefícios com essa finalidade.

Priorização da tecnologia para RH

Finalizando a jornada, 37,5% dos profissionais de RH afirmam que a prioridade da área de tecnologia é baixa na hora da implantação de novas tecnologias para o setor de recursos humanos. 35,5% afirmam que a prioridade nem sempre é atendida e para 27,1% a prioridade sempre é alta, demonstrando a dificuldade na implantação de novas tecnologias para o RH nas empresas.

Para abordar os temas em volta dessas dores e oferecer soluções para o mercado, a Jornada do RH digital vai resultar em uma live no dia 21/01 às 14h e promete ser uma tarde repleta de conteúdos para começar 2021 com inovação. A inscrição gratuita pode ser realizada no site da campanha. Na Jornada do RH Digital, além da Kenoby, participam também a Allya, Flash Benefícios, Huddle, Link API, Pin People, Qulture.Rocks e Yube.

Para saber mais sobre as empresas, você pode acessar o site de contato da campanha e selecionar quais delas você gostaria de conhecer mais.

Kenoby agora é Gupy

Agende uma demonstração com a melhor e mais inovadora plataforma de RH do Brasil

agendar uma demo (gratuito)