1/2/2022

Quando aplicar um teste de perfil comportamental?

Quando aplicar um teste de perfil comportamental?

Certamente, você já ouviu falar que o quadro de pessoal de uma empresa está entre os seus principais diferenciais, de modo que os colaboradores representam as "engrenagens" que a fazem funcionar corretamente. Inclusive, por isso é tão importante que as etapas que integram o processo de recrutamento e seleção (R&S) assegurem a contratação do profissional ideal, alinhado ao valores e à cultura organizacional.

Afinal cada funcionário é único e, portanto, tem as suas próprias peculiaridades e um perfil que determina o seu "modus operandi", ou seja, a sua forma de atuar em relação aos processos e à rotina. Desse modo, a fim de evitar escolhas erradas nas seletivas, o recrutador deve buscar analisar as particularidades de cada candidato — daí a tamanha relevância do teste comportamental nos processos seletivos.

No entanto, é fundamental destacar que essa análise não tem a sua aplicação restrita aos estágios de R&S. Na realidade, ela pode ser uma grande aliada em outras situações. Então, neste post, o intuito é explicar a sua finalidade, os perfis comportamentais mais comuns, entre outras informações igualmente pertinentes. Continue a leitura e informe-se!

Quais são os perfis comportamentais mais comuns?

Como dito, identificar o perfil comportamental de um indivíduo — seja um candidato a uma vaga em aberto, seja um colaborador que já integra o quadro de funcionários da empresa e pleiteia uma nova posição, por exemplo — é essencial para assegurar a formação de um time alinhado aos objetivos corporativos. Afinal, por meio dessa análise, tanto os pontos fracos quanto os fortes são reconhecidos e avaliados.

Em suma, o propósito é perceber as condutas e as soft skills (habilidades comportamentais) que mais sobressaem em cada um, com o intuito de prever as ações e reações dos profissionais no cotidiano. Nesse sentido, os métodos mais empregados costumam classificar as pessoas em quatro perfis distintos, como você verá a seguir.

Analista

Geralmente, as características principais do analista são a inteligência e a agilidade. No ambiente de trabalho, esse tipo de profissional costuma ser bastante meticuloso, organizado e responsável.

Considerado alguém discreto e calmo, um dos seus pontos negativos pode ser a pouca flexibilidade, já que ele tem mais afinidade com funções que envolvam rotinas repetitivas. Por outro lado, o analista é o tipo de colaborador ideal para atuar em demandas que exijam conhecimento, pesquisa e um ponto de vista estratégico.

Comunicador

As pessoas que têm um perfil comunicador, via de regra, são persuasivas e carismáticas, adaptando-se facilmente a diversos ambientes — o que pode ser visto como um aspecto bastante positivo. Além disso, elas têm boas habilidade para as relações interpessoais e gostam de trabalhar em equipe.

Entretanto, ainda que tragam muita energia ao time, os comunicadores têm alguma dificuldade em lidar com análises e prazos, o que pode ser um entrave quando uma abordagem mais objetiva e centrada é requerida. Inclusive, indivíduos com esse tipo de perfil, usualmente, são menos organizados e comprometidos.

Executor

O perfil executor é conhecido por ter grande preocupação com os resultados e também por não ter receio de assumir riscos, sendo muito dinâmico e ativo. Geralmente, profissionais executores "dominam" o meio, pois são vistos como líderes natos.

Contudo, esse mesmo aspecto, que, em determinadas circunstâncias, pode ser positivo, em outras, pode ser prejudicial. Afinal, uma pessoa com esse perfil, por ser dominante, pode vir a se tornar autoritária e até ditatorial, o que impactaria negativamente a performance do time.

Planejador

Por fim, um profissional com o perfil planejador, como o próprio nome entrega, tem por hábito planejar todas as suas atividades com antecedência. Assim, dificilmente ele lida com imprevistos e o seu ritmo de trabalho costuma manter uma constância.

No entanto, essas mesmas características o fazem ter alguma dificuldade para lidar com circunstâncias inesperadas, pois a sua capacidade de improviso é pequena. Além disso, ainda que os planejadores apresentem várias características comumente associadas à liderança, em geral, eles não costumam superar as expectativas, entregando uma performance mediana.

Em quais situações um teste de perfil comportamental pode ser aplicado?

Basicamente, a finalidade desses testes é — como mencionado brevemente — compreender, de modo menos subjetivo, alguns aspectos relativos aos profissionais, como o poder de comunicação, o nível de inteligência emocional, a capacidade de tomada de decisões etc. Portanto, isso pode ajudar bastante e é conveniente aplicá-los:

  • nos processos de recrutamento e seleção, a fim de avaliar, por exemplo, o fit cultural, as habilidades de liderança, o temperamento apresentado diante de conflitos etc.;
  • na gestão das equipes, com o fim de identificar o grau de comprometimento e os estilos de liderança de cada um dos integrantes dos times, facilitando o reconhecimento das melhores ações a serem implementadas em prol do desenvolvimento de novas competências etc.

Como ele funciona na prática?

Um teste de perfil comportamental — antigamente aplicado por meio de questionários impressos —, atualmente, com o apoio de soluções tecnológicas, é realizado com o emprego de softwares especializados para tornar a coleta e a análise dos resultados mais fáceis. Embora existem diferentes metodologias, como a DISC e a STAR, para traçar o perfil de um indivíduo, há, sim, algumas etapas essenciais para a sua aplicação, que são:

  • compreender o perfil da organização, a fim de viabilizar a identificação de profissionais que apresentem fit cultural, com características que sejam compatíveis com a cultura da empresa;
  • estabelecer o perfil ideal para o preenchimento de uma posição, a partir de uma análise interna que leva em consideração tanto o setor contratante quanto o pessoal que já integra a equipe;
  • conhecer as ferramentas de análise comportamental, já que há uma infinidade de opções em se tratando de testes de perfil comportamental que podem ser mais ou menos convenientes de acordo com a situação em que se dará a aplicação;
  • aplicar o teste de perfil comportamental, que é a etapa final, colocada em prática após a escolha da ferramenta ideal. Nesse estágio, é imprescindível observar as especificidades do método selecionado e se certificar de que os recursos e o ambiente necessários estão à disposição.

Como visto, o teste de perfil comportamental viabiliza seletivas — sejam internas, sejam externas — mais acertadas, de modo que sejam atendidas às demandas não apenas da posição em aberto, mas da empresa como um todo. Quando o processo é bem-feito, é possível notar ganhos em produtividade, economia de recursos financeiros e de tempo, redução da taxa de rotatividade e mais. Contudo, para tanto, pode ser interessante contar com um apoio especializado, a fim de assegurar os melhores resultados.

Nesse caso, o Kenoby pode ser um grande aliado, já que é um software que atende, de ponta a ponta, toda a área de R&S, auxiliando na seleção dos melhores profissionais de modo simplificado e eficiente. Quer conhecer melhor a nossa solução? Pois entre já em contato conosco!

Kenoby agora é Gupy

Agende uma demonstração com a melhor e mais inovadora plataforma de RH do Brasil

agendar uma demo (gratuito)